O sul-coreano Kim Jong-yang foi hoje eleito presidente da Interpol para terminar o mandato iniciado pelo chinês Meng Hongwei, investigado por suspeitas de corrupção, anunciou na rede social Twitter a maior organização policial do mundo.

Kim Jong-yang era já presidente interino da organização aquando da "demissão repentina" do antigo presidente Meng Hongwei, acusado de corrupção por Pequim. Outro forte candidato era o russo Russo Alexander Prokopchuk.

A demissão do chinês Meng Hongwei, anunciada no dia 7 de outubro, foi tornada pública 11 dias depois da mulher ter alertado para o seu desaparecimento, durante uma viagem à China.

No dia a seguir à demissão, comunicada por correio à organização, o Ministério da Segurança Pública da China anunciou que Meng teria "recebido subornos e era suspeito de ter violado a lei", sem adiantar mais.

A Interpol instou a China a "dar mais detalhes e informações sobre o que teria exatamente ocorrido".

Questionado recentemente sobre as informações recebidas de Pequim, o secretário-geral da Interpol, Jürgen Stock, disse saber apenas que Meng está na China e que os factos de corrupção avançados não estão relacionados com as suas atividades na Interpol.

Sobre a demissão assinada por Meng, o responsável da Interpol indicou não ter "razões para suspeitar de uma coisa forçada".

Vice-ministro da Segurança Pública no momento em que assumiu a chefia da Interpol, em 2016, Meng teve a sua ascensão nesta área quando a mesma era dirigida por um rival do Presidente chinês, Xi Jinping, estando esse adversário atualmente na prisão.