Uma menina muçulmana, que frequenta o 5.º ano na escola básica de Hemenway, em Framingham, nos Estados Unidos, recebeu duas mensagens de ódio onde a acusam de ser terrorista e a ameaçam de morte.

Segundo a CNN, a polícia está a investigar o caso como um crime de ódio.

Nas mensagens dirigidas à criança - cuja identidade não foi revelada para a proteger - podia ler-se "És uma terrorista!" e "Vou matar-te". Os bilhetes foram enviados em dias diferentes e estavam dentro da pasta da aluna, na sala onde costuma ter aulas .

O primeiro bilhete - "És uma terrorista" - foi recebido na passada sexta-feira. Já o segundo, com a ameaça de morte, foi encontrado esta terça-feira.

A menina entregou ambos os bilhetes à professora que, após a segunda mensagem recebida, avisou a diretora do sucedido. A diretora da escola, Elizabeth Simon, avisou de imediato a polícia e os familiares da aluna.

De acordo com Elizabeth Simon, este é o primeiro incidente discriminatório que acontece na escola.

Nunca tivemos nada parecido a esta mensagem de ódio. Alguns alunos não sabiam o que era um terrorista e nós tivemos de explicar isso. Isto é inaceitável. Isto seria perturbador se algum de nós recebesse esse bilhete, mas o problema é que a aluna é muçulmana e enviar aquelas mensagens torna-se um crime de ódio”, afirmou a diretora.

A família da jovem confessou que não entende como é que a aluna está a ser alvo de racismo.

É repugnante estar a ameaçar uma criança sem razão aparente. Já passei por racismo. A minha mulher também. Como adultos, sabemos lidar com situações de racismo, mas em relação à nossa sobrinha não percebemos como é que ela está a ser um alvo", afirmou Jammal Siddiqui, tio da menina, à Boston 25 News.

Enquanto a investigação sobre a origem dos bilhetes decorre, a menina continua a ir à escola normalmente.

Ela quer ser o mais normal possível. Não quer ser tratada de forma diferente”, revelou o tio da jovem.

Robert Tremblay, superintendente do Distrito Escolar de Framingham, afirmou que o racismo não tem lugar na comunidade de Hemenway e não será tolerado. 

Este tipo de incidente não tem lugar nas escolas de Framingham ou na comunidade de Hemenway e não será tolerado. A parte mais importante é que os alunos estejam e se sintam seguros e respeitados na escola”, afirmou Robert à televisão WCVB-TV.

A propósito deste incidente, a escola lançou uma imagem no Facebook com a mensagem "Ódio não tem lugar aqui".

O superintendente revelou ainda que não acha que os alunos estejam em perigo. No entanto, a escola iniciou uma investigação interna a par da investigação policial, que está a verificar as mochilas de todos os alunos da escola.

De forma a unir os estudantes, todos os alunos do 5.º ano da escola básica de Hemenway escreveram bilhetes com elogios e mensagem de apoio para oferecerem à menina de 10 anos.