Um jovem de 18 anos foi acusado esta segunda-feira por um tribunal neozelandês de distribuir imagens do ataque às duas mesquitas de Christchurch, na Nova Zelândia, na sexta-feira, transmitidas em direto pelo atacante no Facebook.

O tribunal de Chirschurch aceitou manter o anonimato do jovem, também acusado de ter publicado uma fotografia da mesquita Al-Nur, em Christchurch, com a menção "alvo atingido". O jovem deverá comparecer novamente em tribunal a 08 de abril.

Esta é uma das três pessoas que permanecem sob custódia policial, incluindo o autor do massacre, o australiano Brenton Tarrant, de 28 anos, detido depois de ter sido acusado de homicídio, no sábado.

No domingo, a primeira-ministra neozelandesa afirmou que pretende discutir com a rede social Facebook a transmissão de vídeos em direto, após a transmissão do ataque que causou 50 mortos.

A rede social afirmou que nas primeiras 24 horas removeu 1,5 milhões de vídeos com a gravação em direto do ataque.

A porta-voz da plataforma na Nova Zelândia, Mia Garlick, garantiu que vão ser também removidas todas as versões editadas do vídeo, mesmo que não mostrem conteúdo gráfico.

Nas primeiras 24 horas, removemos 1,5 milhões de vídeos do ataque, em todo o mundo, dos quais mais de 1,2 milhões foram bloqueados durante o ‘download’", disse o Facebook