México e Cuba já estão a sentir os ventos com rajadas da ordem dos 150 quilómetros por hora, provocados pelo furacão Michael que passou de tempestade tropical para ciclone da categoria 2, numa escala de 5. Pela trajetória, o estado da Florida, no sudeste dos Estados Unidos, será atingido na quarta-feira à tarde, o que levou já o governador a declarar o estado de emergência em 35 condados.

Nas regiões entre Penhandale e Tampa Bay, no oeste da península da Florida, foi dada ordem de retirada a 120 mil pessoas e centenas de operacionais da Guarda Nacional estão em alerta.

Prevê-se que o furacão Michael venha a ser a tempestade mais destrutiva a atingir o Panhandle nas últimas décadas", alertou o governador do estado, Rick Scott, na manhã de terça-feira, avisando que "ningué se pode esconder da tempestade, portanto, há que sair se uma evacuação for ordenada".

O furacão Michael está sobre o Golfo do México e é catalogado pelo meteorologistas como uma tempestade de categoria 2, podendo chegar a categoria 3, na quarta-feira, o que também levou os governadores dos estados vizinhos da Geórgia e Alabama a fazerem declarações de emergência.

Usando aeronaves de reconhecimento, o Centro Nacional de Furacões norte-americano (NHC) divulgou na manhã desta terça-feira que o Michael tinha o seu centro - o "olho" do furacão - a ocidente da ilha de Cuba. Às 8:00 locais - 13:00 em Lisboa - movia-se no sentido norte-noroeste a 19 quilómetros por hora. Provocava ventos com rajadas de 155 quilómetros por hora, admitndo-se que possam acelerar até valores da ordem dos 180 quilómetros horários.

Os preparativos para proteger pessoas e bens devem ser concluídas hoje nas áreas em alerta por causa da tempestade e de furacões, já que os efeitos da tempestade tropical devem começar à noite, e os níveis do mar subirão antes do centro de #Michael", refere o NHC através da rede Twitter.