O antigo barão da droga Hector Beltran Leyva, que chegou a ser um dos homens mais procurados no México, morreu no domingo, depois de sofrer um ataque cardíaco na prisão, anunciaram as autoridades.

De acordo com o Ministério do Interior, Beltran Leyva, de 56 anos, foi transportado para um hospital na cidade central de Toluca, depois de se queixar de dores no peito, mas não resistiu.

Beltran Leyva, conhecido por “El H”, foi preso em 2014 em San Miguel de Allende, tendo conseguido escapar ao pedido de extradição dos Estados Unidos.

O cartel Beltran Leyva, que liderava, era considerado pelas autoridades mexicanas como um dos principais protagonistas do narcotráfico, dedicado ao tráfico de cocaína da América Central e do Sul para os Estados Unidos e a Europa.

Em 2008, uma federação dominada pelo cartel de Sinaloa, que incluía a organização Beltran Leyva, separou-se, provocando um dos episódios mais sangrentos de lutas internas entre cartéis mexicanos.

Os irmãos de Beltran Leya, Alfredo e Carlos, foram presos, enquanto o irmão Arturo, ex-líder, foi morto pelas forças de segurança.

A mulher de Hector, Clara Laborin Archuleta, foi presa em 2016, pouco depois de assumir as operações do cartel e tentar retomar o controlo do centro turístico da Costa do Pacífico, em Acapulco.