O número de crianças migrantes não acompanhadas detidas na fronteira dos Estados Unidos da América com o México triplicou nas últimas duas semanas, criando sérios problemas de lotação nas instalações de acolhimento.

De acordo com documentos obtidos pelo jornal norte-americano The New York Times, 3.250 chegaram em apenas duas semanas, sendo que mais de 1.360 crianças não acompanhadas estiveram detidas para além das 72 permitidas por lei, devido à dificuldade em encontrar um abrigo para crianças com lotação disponível.

Atualmente, as crianças estão a ser detidas em instalações para adultos, geridas pelo serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras.

Segundo a lei americana, o governo federal é obrigado a transferir as crianças desacompanhadas para instalações na fronteira administradas pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos, até ao momento em que a guarda da criança é entregue a um encarregado. Os números do Departamento da Segurança Interna apontam para os sucessivos atrasos na transferência das crianças para estas instalações.

A publicação sublinha que, de acordo com os cálculos das agências governamentais, a lotação máxima dos abrigos para as crianças deve “atingir a sua capacidade máxima” dentro de 13 dias.

Mais de 5.800 crianças desacompanhadas foram detidas na fronteira em janeiro, um aumento de mais de mil casos em relação a outubro de 2020.

Estes números aumentam a pressão sob a administração Biden, que concorreu com a promessa de uma política emigração mais amigável do que aquela aplicada pelo seu antecessor.