Relações extraconjugais e denúncias de comportamento impróprio estão a manchar a reputação do bilionário tecnológico e filantropo Bill Gates durante o processo de divórcio, dá conta a France-Presse (AFP).

Vinte e sete anos e uma fundação depois, que já financiou várias iniciativas que totalizaram mais de 53 mil milhões de dólares (mais de 42 mil milhões de euros), o casamento de Bill e Melinda Gates chegou ao final e com ele parece estar a ser 'arrastada' a reputação do cofundador da Microsoft.

Várias acusações feitas nos últimos 15 dias retratam Bill Gates, de 65 anos, como um empresário com várias “áreas cinzentas”.

No domingo, o The Wall Street Journal revelou que quando Gates saiu da Microsoft, em março de 2020, o que estaria, na realidade, por detrás da saída seria um relacionamento considerado “impróprio” com uma funcionária.

Na versão oficial, Bill Gates disse que deixou a liderança da Microsoft para se dedicar inteiramente à fundação.

Fonte da Microsoft confirmou à AFP que o Gates “pretendia estabelecer um relacionamento íntimo com uma funcionária” em 2000, alegadamente uma engenheira.

. / MJC