Os dados sobre os migrantes encontrados mortos, num camião frigorífico, no Reino Unido, começam a ser conhecidos. A imprensa britânica avança que pelo menos 25 dos 39 mortos seriam da mesma aldeia do distrito de Yen Thanh, no Vietnam. Uma aldeia costeira, onde impera a pobreza e o desemprego, localizada a 200 quilómetros a sul de Hanoi.

Alguns eram pais e tinham filhos pequenos. Outros nem sequer tinham feito 20 anos.

Os jornais britânicos escrevem que as vítimas foram encontradas nuas ou com muito pouca roupa e, pelas suas posições, há indícios de que tenham morrido a bater “desesperadamente” nas portas e nas paredes do contentor do camião, pedindo por ajuda. Escreve também a imprensa britânica que tinham “espuma a sair-lhes das bocas”.

O jornal The Sun avança mesmo que alguns familiares asseguram terem recebido a visita de “passadores”, oferecendo-se para devolver o dinheiro que foi pago para os migrantes chegarem ao Reino Unido. Uma jornada falhada.

A VietHome, uma organização que apoia imigrantes vietnamitas no Reino Unido, diz que recebeu pelo menos 20 fotografias e nomes de pessoas cujas famílias temem estar entre as vítimas.

Até agora, é conhecida da identidade de sete pessoas.

“Desculpa, mãe. Não consigo respirar”

Pham Thi Tra My, de 26 anos, foi a primeira vítima a ser identificada. Quando foi conhecida a notícia, a família desconfiou de imediato que a jovem podia estar entre as vítimas. Nos dias anteriores, a mãe tinha recebido uma série de mensagens perturbadoras por parte da filha. Numa delas dizia que ia “morrer, porque não conseguia respirar”.
Diz a família que pagou aos traficantes 34 mil euros pela viagem que acabou por matá-la.

É natural de Ha Tinh, uma província pobre do Vietname, de onde são provenientes muitos dos imigrantes ilegais vietnamitas que se encontram no Reino Unido.

Os pais da jovem disseram, em declarações à CNN, que foi “muito duro” receber aquelas mensagens, porque ficaram com a consciência de que a filha sabia bem que ia morrer.

“Os traficantes disseram-nos que seria uma viagem segura. Que iriam de avião e de carro… Se eu soubesse que ela ia desta maneira, não teria deixado ir”, disse a mãe à CNN.

A esteticista que queria trabalhar como manicure no Reino Unido

Anna Bui Thi Nhung tinha 19 anos. Pagou a um “passador” cerca de 9 mil euros para chegar ao Reino Unido. Dinheiro que vários familiares se uniram para angariar. A família soube por um amigo que vive no Reino Unido que “Nhung é uma das vítimas”, avança um dos familiares citado pelo Daily Mail.

A jovem partiu para o Reino Unido para ganhar dinheiro e enviar para a família para que construíssem casas novas. O pai morreu de cancro há alguns anos e a mãe não podia trabalhar por problemas de saúde. Queria também poupar dinheiro.

A 21 de outubro, dias antes de perder o contacto com a família e de o camião ser encontrado, adianta a BBC, Nhung escreveu no Facebook: “Crescer significa ter de esconder a tua tristeza no escuro e manter um sorriso no rosto”.

Antes de chegar ao Reino Unido, passou pela Alemanha e pela Bélgica, onde terá entrado no camião.

Os dias felizes em Paris à espera de ir para o Reino Unido

Nguyen Dinh Luong tinha 20 anos. Será outra das vítimas do camião dos horrores. Estava em França, de forma ilegal, desde 2018. E queria ir para o Reino Unido, onde acreditava que o esperava uma vida melhor.

O pai diz que o jovem pagou 16 mil euros pela viagem e planeava trabalhar num salão de estética, como muitos dos seus colegas de jornada, quando chegasse ao Reino Unido.

Em declarações à AFP, o pai de Luong diz que recebeu, há alguns dias, um estranho telefonema de um vietnamita que não se identificou. “Por favor, tenha alguma paciência. Algo de estranho se passou”, ter-lhe-á dito o homem.

“Caí por terra quando ouvia aquilo”, diz o homem.

Em declarações à Associated Press, o pai em luto diz que não sabia nada do filho desde a semana passada, altura em que o jovem disse ao pai que se ia juntar a um grupo que ia de Paris para Inglaterra.

Nguyen Dinh Tu deixa um filho bebé e a mulher cheia de dívidas

Nguyen Dinh Tu e a mulher Hoang Thi Thuong passaram meses a angariar os 12 mil euros que pagou pela viagem desde a Alemanha para o Reino Unido. A viúva revelou agora que Nguyen Dinh Tu passou meses a trabalhar ilegalmente na Roménia e na Alemanha, para juntar dinheiro para ir para o Reino Unido.

Desde o dia 21 de outubro que não sabia nada do marido.

“Agora, tenho uma enorme dívida para pagar, não tenho esperanças, não tenho energias, não tenho nada”, confessa a viúva.

Souberam que o jovem, que deixa um filho pequeno, estava dentro do camião através de familiares que já estavam no Reino Unido.

Estão agora a unir esforços para ir buscar o corpo.

“Pede-lhes que rezem por mim”

Vo Ngoc Nam, tinha 28 anos e dois filhos. A família teme que seja uma das vítimas.

A mulher, Ta Thi Oanh, disse aos meios de comunicação tietnamitas que falou com o marido na última terça-feira à tarde. Disse-lhe, nesse telefonema, que estava dentro de um camião, rumo ao Reino Unido.

Pediu à mulher que ligasse aos seus pais: “Pede-lhes que rezem por mim”. Desde então, nada mais soube dele.

“Depois de ouvirmos as notícias acerca dos 39 mortos dentro do camião, no Reino Unido, a minha família ficou em choque. Estamos ansiosos, à espera da confirmação oficial por parte das autoridades”, disse o pai do jovem a meios de comunicação vietnamitas, citado por órgãos de comunicação britânicos.

Uma tia à procura de dois sobrinhos

Os primos Hung Nguyen, 33 anos, e Hoang Van Tiep, cuja idade não foi revelada, estariam também no camião. Pouco se sabe de ambos. Apenas que a tia colocou fotografias nas redes sociais, na esperança de encontrar os sobrinhos vivos.

A verdade é que eles estariam também numa viagem rumo ao Reino Unido. Não se sabe em que circunstâncias. A família não consegue contactá-los.

Manuela Micael