O estado de emergência na Geórgia, imposto no passado dia 07 pelo Presidente Mikhail Saakachvili e por um período de 15 dias, será levantado sexta-feira, anunciou hoje a presidente do Parlamento, Nino Burdjanadzé, escreve a Lusa.

«Fui incumbida de declarar, em nome das autoridades, a decisão de pôr fim à vigência do estado de emergência na Geórgia a 16 de Novembro», afirmou numa declaração transmitida pelo canal público de televisão do país.

Nino Burdjanadzé declarou também que continuam as conversações com a oposição, sublinhando «estar convencida que as eleições presidenciais serão democráticas».

A 07 de Novembro, Mikhail Saakachvili impôs o estado de emergência, na sequência de violentos confrontos entre manifestantes da oposição e a polícia georgiana, que causaram centenas de feridos.

A oposição exigia a demissão do Presidente Saakachvili, a antecipação das eleições legislativas do Outono para a Primavera de 2008, a revisão da lei eleitoral e a libertação dos presos políticos.

Mikhail Saakachvili respondeu com a marcação de eleições presidenciais antecipadas na Geórgia para 07 de Janeiro.

O Conselho dos Partidos da Oposição da Geórgia, que congrega dez forças políticas, apresentou a candidatura de Levan Gatchetchiladzé à presidência.

Além de Gatchetchiladzé, mais quatro dirigentes de partidos da oposição georgiana anunciaram a intenção de participar nas eleições presidenciais: Chalva Natelachvili, dirigente do Partido Trabalhista, David Gamkrelidzé, deputado do Partido Nova Direita, Gueorgui Maisachvili, dirigente do Partido do Futuro e o empresário Badri Patarkatsichvili, que se encontra refugiado em Londres.

Temur Chchiachvili, dirigente do Movimento «Em frente, Geórgia!», também estuda a possibilidade de participar na corrida presidencial.

O actual Presidente da Geórgia não anunciou ainda se tenciona participar na luta pelo segundo mandato, embora tenha dado várias vezes a entender que irá participar nas eleições e vencer.

Caso Mikhail Saakachvili decida candidatar-se, terá de se demitir do cargo de Presidente no próximo dia 22 de Novembro, que passará a ser exercido interinamente pela dirigente do Parlamento, Nino Burjanadzé.
Portugal Diário