O ex-presidente do Egipto Mohamed Morsi morreu, esta segunda-feira, em tribunal, numa sessão por causa da acusação de espionagem em benefício de organizações estrangeiras, de que foi alvo em 2011.

O político, de 67 anos, tinha pedido permissão para falar em tribunal, de acordo com o Egypt Today, e o pedido foi autorizado.

Segundo a televisão estatal do país, o ex-presidente terá desmaiado, antes de perder a vida. O corpo foi transportado para o hospital mais próximo.

Recorde-se que o antigo chefe de Estado, líder da Irmandade Muçulmana, foi condenado em junho passado a pena de morte por enforcamento, depois de ter sido considerado culpado de ter ordenado ataques armados contra a Polícia e de ter planeado fugas da prisão onde estava detido durante a revolta de 2011. EM 2016, Mohamed Morsi conseguiu escapar à sentença de pena de morte.

O então líder foi derrubado do poder em 2013, dois anos depois de subir ao poder, e estava a cumprir uma pena de sete anos de prisão por incorreções na documentação que apresentou para se candidatar à presidência do país. Atualmente, estava a ser julgado por espionagem.