As águas turquesas que recortam a paisagem árida lembram um local idílico. Mas não se deixe enganar: o que há aqui de belo, há também de perigoso. O lago de Monte Neme, na Galiza, está cheio de químicos tóxicos. E por causa da “fotografia perfeita”, há cada vez mais turistas a acabarem no hospital depois de o visitarem.

O lago de Monte Neme é, na verdade, uma pedreira desativada, que data da Segunda Guerra Mundial. Trata-se de uma bolsa cheia de água, que está ligada a uma antiga mina de tungsténio. E o azul turquesa da água não se deve a um capricho da Natureza, mas antes à sua contaminação com vários químicos.

Por proporcionar fotografias de grande beleza, há cada vez mais turistas a visitar este lugar, como escreve o jornal local La Voz de Galicia.

Há quem se contente em tirar imagens no seu exterior e há quem vá mais longe: em busca de uma fotografia original, muitos arriscam saltar para estas águas contaminadas.

 

 

 

 

 

Por causa destas poses mais arriscadas, o La Voz de Galicia informa que há cada vez mais pessoas a terem de ser hospitalizadas devido a vómitos, irritações ou reações alérgicas. 

E quanto mais tempo é passado dentro de água, maior parece ser a extensão dessas irritações, que podem causar problemas no sistema digestivo.

Há registo de pessoas que ficaram com reações alérgicas durante vários dias.

Contactada pelo jornal, a Junta da Galiza diz que o lago é propriedade privada, cujo acesso está proibido e quem aceder ao local "fá-lo à sua responsabilidade".