Morreu esta sexta-feira o Príncipe Philip, com 99 anos. Nascido a 10 de junho de 1921, na ilha grega de Corfú, Philip completaria o centésimo aniversário este ano.

O Duque de Edimburgo foi o consorte mais velho e com o maior reinado na história da monarquia britânica, além de o homem mais velho da história da família real.

Filho do príncipe André da Grécia e da princesa Alice de Battenberg, bisneta da rainha Vitória, Philip era membro das famílias reais grega e dinamarquesa. Contudo, foi expulso do país quando ainda era criança durante o Golpe de 1922. Conta-se que foi carregado num berço feito a partir de uma caixa de frutas.

Philip estudou na Alemanha e no Reino Unido onde, em 1939, se juntou à Marinha britânica como cadete na academia naval de Dartmouth. Serviu na Marinha durante a II Guerra Mundial, em missões no Mediterrâneo e Pacífico, mas terminou a carreira em 1951, quando Isabel II se tornou rainha, após a morte do pai (a coroação seria apenas em 1953).

Antes do anúncio do casamento real, Philip teve de abandonar os títulos gregos e dinamarqueses, converteu-se ao anglicanismo e naturalizou-se cidadão britânico, adotando o sobrenome Mountbatten a partir dos seus avós maternos.

Quando se retirou da vida pública, em 2017, o duque era patrono, presidente ou membro de mais de 780 organizações, incluindo várias de caridade. Mas não foi uma vida sem polémicas, com várias gafes pelo caminho.

As polémicas e gafes

Nos últimos 50 anos, foram várias as declarações polémicas do marido da rainha Isabel II que provocaram momentos constrangedores em eventos públicos.

- “És demasiado gordo para ser astronauta”, disse o príncipe a uma criança de 13 anos que lhe tinha dito que gostava de ir ao espaço.

- "Se ficarem aqui muito mais tempo vão ficar todos com os olhos em bico", disse o príncipe em 1986 a um grupo de jovens britânicos que estudava em Xian, na China.

- "Parece que está pronto para ir para a cama", disse o príncipe ao presidente da Nigéria em 2003, numa referência às vestes tradicionais do presidente.

- "Parece o tipo de coisa que a minha filha faria nas aulas de arte da escola", comentou o príncipe em 1965, enquanto via peças de arte tradicionais na Etiópia.

- "És uma mulher, não és?", perguntou o duque no Quénia a uma mulher que lhe oferecia um presente, em 1984.

- "Se tem quatro pernas e não é uma cadeira, se tem duas asas e voa mas não é uma aeronave e se nada mas não é um submarino, os chineses vão comê-lo", disse o duque em 1986 num encontro do Fundo Mundial para a Natureza.

- "Surdas? Se estão perto daquilo não admira que estejam surdas", disse o príncipe durante uma visita a uma escola de crianças surdas, em 2000. Ao lado, estava uma banda das Caraíbas com tambores de aço.

- "Toda a gente dizia que precisamos mais de lazer. Agora queixam-se que estão desempregados”, afirmou, durante a recessão de 1981

- “As pessoas não tropeçam em si?", disse Philip, para um dos residentes num lar de idosos, em cadeira de rodas.

- "Vocês ainda atiram lanças uns aos outros?", em 2002, o duque foi criticado por ter perguntado a indígenas na Austrália se eles ainda atiravam lanças.

Um acidente e vários problemas de saúde marcaram os últimos anos

Os últimos anos foram marcados por uma série de problemas de saúde, tendo sido mesmo internado algumas vezes. Dores no peito, uma artéria bloqueada, uma infeção na bexiga e uma operação ao abdómen foram algumas das situações que levaram o duque ao hospital.

A 17 de janeiro de 2019, o Duque de Edimburgo sofreu um acidente quando conduzia o seu Land Rover Freelander. Philip não sofreu nenhum ferimento, mas saiu da colisão abalado e em estado de choque.

Já os ocupantes do outro carro, uma mulher e um bebé de nove meses, sofreram ferimentos ligeiros. Este acidente lançou um debate sobre idosos e a condução de automóveis no Reino Unido. A verdade é que dias após o acidente, o duque entregou a sua carta de condução

A 16 de fevereiro de 2021, aos 99 anos, cerca de cinco meses antes de completar 100 anos, o duque foi internado no hospital Eduardo VII para tratar, inicialmente, uma infeção. No entanto, mais tarde foi transferido para o hospital São Bartolomeu para tratar um problema cardíaco, sendo que no dia 4 de março a Casa Real anunciou que Philip tinha sido submetido a uma intervenção cirúrgica.

Durante a pandemia de covid-19 na Inglaterra, Philip viveu no Castelo de Windsor, nos arredores a oeste de Londres, acompanhado da rainha, com um grupo restrito de empregados para reduzir o risco de doença.

Ambos receberam as vacinas contra a covid-19 em janeiro, juntamente com o restante grupo prioritário de maiores de 85 anos.

Rafaela Laja