O editor, bibliófilo e designer italiano Franco Maria Ricci, que idealizou o labirinto de Masone, na Itália, o maior do mundo, com 200 mil plantas, morreu na quinta-feira, em Parma, aos 82 anos, noticiou esta sexta-feira a imprensa local.

Nascido em Parma, em 1937, marcou a cena editorial com a publicação, entre 1982 e 2004, da revista FMR, mas conquistou admiração sobretudo por ter criado o Labirinto de la Masone, no município de Fontanellato, na província de Parma, inaugurado em 2015.

Com mais de oito hectares de superfície, o labirinto é formado por 200 mil plantas de bambu, com dimensões entre 30 centímetros e 15 metros, e foi criado para lazer e cultura, acolhendo eventos e exposições.

Ricci iniciou a carreira como editor em 1963, com a reimpressão do "Manual Tipográfico", de Giambattista Bodoni, e cultivou ao mesmo tempo o seu interesse pelo desenho, que o levou a marcar e a criar anúncios para grandes empresas, tanto italianas como estrangeiras.

Fez igualmente reedições históricas da "Enciclopédia", de Diderot e D'Alembert, e das obras do escritor argentino Jorge Luis Borges, que gostava de citar como inspiração para o Labirinto de la Masone.

O ministro italiano da Cultura, Dario Franceschini, já lamentou a morte de Ricci, destacando que foi "um intelectual de extraordinária sensibilidade e inteligência, um editor culto e refinado, um homem que sempre trabalhou para difundir o conhecimento do património cultural" italiano.

Também o Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, lamentou a morte do editor, na sua página da rede social Facebook, considerando-o, "um homem raro, que soube marcar de forma incomparável o panorama das edições de arte na Europa e no mundo".

Entre 28 de novembro de 2014 e 12 de abril de 2015, o Museu de Arte Antiga, em colaboração com a Embaixada de Itália e o Instituto Italiano de Cultura, recebeu a exposição "A Coleção Franco Maria Ricci", que apresentou a sua coleção de arte, pela primeira vez em exibição integral fora de Itália.

Um documentário sobre a conceção do Labirinto de la Masone acompanhou a mostra.

/ AG