Um cancro raro ligado a implantes mamários já matou nove mulheres nos EUA, de acordo com um comunicado da Food and Drug Administration (Administração de Comidas e Drogas, em tradução livre) publicado na quarta-feira. 

De acordo com o comunicado da FDA, citado pelo The Independent, para além das vítimas mortais, mais mulheres foram diagnosticadas com a doença, havendo atualmente 457 casos identificados.

O linfoma anaplásico das grandes células (BIA-ALCL) não é cancro da mama, pode ser encontrado nos implantes mamários e o alerta para essa possibilidade surgiu em 2011.

Segundo oficiais de saúde, este linfoma é mais provável de acontecer em mulheres que têm implantes com um revestimento texturizado, em vez de um revestimento liso. 

Os implantes texturizados, que têm uma camada externa mais áspera destinada a aderir ao tecido que os rodeia, são tipicamente usados em casos em que o paciente e o cirurgião não querem que o implante se mexa.

Perante o número de casos, a FDA emitiu uma nota para ajudar a detetar a doença antes que se coloque a vida da paciente em causa.

Na nota, a FDA explica que é importante que os médicos que tratam mulheres com implantes devem informar-se sobre este tipo de cancro e dos seus sintomas.

Quando o cancro é detetado o tratamento inclui a remoção dos implantes e da cápsula que os envolve, para além da quimioterapia e da radioterapia.