Cinco pessoas da mesma família morreram na quinta-feira, na província da Zambézia, vítimas de uma descarga atmosférica, informou, esta sexta-feira, o comandante da Polícia da República de Moçambique no distrito de Maganja da Costa, Vasco Mariano.

O incidente, precisou o responsável, ocorreu durante a noite, quando a família - casal e três filhos - dormia.

A família vivia no povoado de Massupa, na província da Zambézia, centro de Moçambique.

Na Maganja da Costa caiu muita chuva na quinta-feira, acompanhada de trovoadas e ventos fortes", explicou Vasco Mariano, citado hoje pela Agência de Informação de Moçambique (AIM).

Desde outubro, as autoridades moçambicanas registaram pelo menos 12 mortos no centro e norte do país de devido ao mau tempo, segundo o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC).

No total, durante a época chuvosa em Moçambique, cerca de 543 casas foram parcialmente destruídas, afetando cerca de 2.000 pessoas.

Entre outubro e abril, Moçambique é ciclicamente atingido por cheias, fenómeno justificado pela sua localização geográfica, sujeita à passagem de tempestades e, ao mesmo tempo, a jusante da maioria das bacias hidrográficas da África Austral.

Paradoxalmente, o sul do país é igualmente afetado por secas prolongadas durante este período.

O Governo moçambicano vai desembolsar 206 milhões de meticais (2,9 milhões de euros) para o plano de contingência da época chuvosa 2018/2019.

Na última época chuvosa, pelo menos 61 pessoas morreram devido às calamidades em Moçambique e outras 152.246 foram afetadas, sendo as províncias de Niassa, Cabo Delgado, Nampula e Zambézia as mais afetadas, segundo dados oficiais.