O jovem manifestante angolano que inicialmente tinha sido dado como morto, mas que a polícia afirmou estar ferido, acabou por morrer, confirmou esta quinta-feira a equipa médica de atendimento do hospital onde deu entrada.

A informação foi avançada pelo chefe da equipa do banco de urgência do Hospital Américo Boavida, onde foi atendido o jovem, de 26 anos, estudante universitário, que deu entrada naquela unidade hospitalar, ao início da tarde de quarta-feira, depois de ferido durante a tentativa de manifestação que visava exigir melhores condições de vida e a realização das primeiras eleições autárquicas.

Augusto Manuel referiu que o paciente foi levado pela polícia àquela unidade hospitalar, como tendo sido recolhido na via pública, vítima de provável agressão física.

O médico, em declarações à Televisão Pública de Angola, referiu que o jovem terá sido atingido "com um objeto contundente", provocando-lhe um trauma na cabeça, "com sangramento ativo e exposição da massa cerebral".

O paciente foi prontamente atendido pela equipa, estabilizado por uma equipa multidisciplinar, tendo sido feitos vários exames complementares, antes de ser submetido a uma cirurgia.

Chegamos à conclusão que se tratava de uma fratura exposta, com afundamento dos ossos do crânio, em que havia, para além do sangramento, por lesão vascular, a saída da massa encefálica”, informou.

Segundo Augusto Manuel, o jovem foi prontamente levado ao bloco operatório, em estado inconsciente, mas depois dos procedimentos feitos, após quatro horas veio a morrer.

O doente que já tinha um mau prognóstico, quer à entrada do banco de urgência, quer no bloco operatório, o prognóstico já era muito mau, acabou por falecer por paragem cardiorrespiratória irreversível e a gente só teve que confirmar o óbito quatro horas depois da cirurgia”, frisou.

O médico afastou a versão de ter sido atingido por um disparo de arma de fogo, como inicialmente foi avançado por companheiros manifestantes.

Não, um objeto contundente, estamos a falar provavelmente de um pau, de um pedaço de metal, grosso, grande, um ferro, que causa aquele tipo de lesão, a gente isso pôde facilmente constatar pelo tipo de ferida que tinha, aquele tipo de fratura, além de que foi submetido a uma TAC cranioencefálica que não evidenciou corpo estranho nenhum”, explicou.

O comandante provincial de Luanda da Polícia Nacional, Eduardo Cerqueira, negou, em declarações à comunicação social, na quarta-feira, que tinha morrido uma pessoa, confirmando que estava ferido e a receber tratamento no Hospital Américo Boavida.

Caiu quando fugia da ação policial no sentido de dispersar as pessoas. Nós estávamos a dispersar em dois sentidos, porque não deviam fazer ajuntamentos e porque estavam a fazer desacatos contra as autoridades públicas, arremessando objetos e cometendo uma série de atos que constituem prevaricação à lei”, justificou.

A polícia impediu, no dia em que se celebraram os 45 anos de independência em Angola, uma manifestação proibida pelo Governo Provincial de Luanda, alegando incumprimento de horários, falta de moradas de alguns organizadores e incumprimento das medidas vigentes no decreto presidencial sobre a situação de calamidade pública, devido à covid-19, que impedem ajuntamentos de mais de cinco pessoas na via pública.

/ CE