Um acidente rodoviário matou este sábado 16 pessoas, entre as quais três crianças de cinco anos, no distrito da Manhiça, sul de Moçambique, onde há quatro meses o pior sinistro de sempre das estradas moçambicana matou 32 pessoas. 

O acidente de hoje aconteceu pelas 15:30 (13:30 em Lisboa) na localidade de 3 de fevereiro quando um jipe cujo condutor se suspeita poder estar embriagado chocou de frente com uma viatura ligeira de transporte coletivo, anunciaram as autoridades.

Presume-se que a causa seja uma ultrapassagem irregular que o motorista do Prado [jipe] realizou e presume-se também que estava em alto estado de embriaguez", referiu Cristina Mafumo, administradora do distrito da Manhiça, citada pela Televisão de Moçambique (TVM).

O acidente provocou ainda sete feridos graves.

O transporte coletivo seguia de Maputo para Xai-Xai, capital da província de Gaza, no sul do país.

Cristina Mafumo apelou aos automobilistas para terem maior precaução ao volante, por forma a que o troço da Estrada Nacional 1 (EN1) que atravessa a Manhiça não se transforme num "corredor de morte".

O distrito já tinha sido palco do acidente de viação mais grave de sempre registado em Moçambique, com 32 mortos, ocorrido a 03 de julho, envolvendo dois camiões e um autocarro que tentou fazer uma ultrapassagem irregular na EN1.

Na altura foram decretados dois dias de luto nacional e demitidos o diretor nacional de Transportes e Segurança Rodoviária e a diretora do Instituto Nacional dos Transportes Rodoviários (Inatro).

/ AG