Espanha registou, nas últimas 24 horas, 637 mortes devido ao novo coronavírus, o número mais baixo desde 24 de março, contabilizando um total de 13.055 vítimas mortais, segundo a última atualização das autoridades sanitárias.

De acordo com o Ministério da Saúde espanhol, foram confirmados 4.237 novos infetados, também o número mais baixo dos últimos dias que confirmam a desaceleração do ritmo de progresso da pandemia, sendo agora o total de contagiados de 135.759.

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, 40.437 pessoas que foram contagiadas tiveram alta e são consideradas como curadas (dados consolidados às 20:00 de domingo, hora de Lisboa).

O número de mortes anunciado hoje (637) significa que o número diário de vítimas mortais se reduz pelo quarto dia consecutivo, depois do máximo de 950 verificado na quinta-feira, seguido de 932 na sexta-feira, 809 no sábado e 674 no domingo.

Também a Alemanha registou hoje menos novos casos diagnosticados (3.677) e um decréscimo do número diário de vítimas mortais (92). No total, o país tem agora 95.391 infetados e 1.434 mortes registadas.

Segundo o Instituto Robert Koch, o país registava no domingo um crescimento de 5.936 novos casos e 184 vítimas mortais.

A página oficial da entidade responsável pela prevenção e controlo de doenças mostra ainda que na Baviera, o maior estado federado da Alemanha, se regista quase um terço dos óbitos por covid-19 (437) e o maior número de pessoas infetadas (24.974).

Apesar deste abrandamento, em declarações este domingo ao jornal “Frankfurter Allgemeine”, Helge Braun, o chefe da Chancelaria e ministro federal de Assuntos Especiais, sublinhou que a Alemanha ainda não atingiu o pico dos contágios.

“A tarefa do Governo é estarmos preparados e prepararmos a população para a parte mais difícil desta crise”, revelou, sublinhando que a Alemanha ainda terá de enfrentar o “número mais alto de contágios”.

Braun sublinha ainda, nesta entrevista, a necessidade de reforçar a capacidade do sistema hospitalar e de melhorar os recursos para mapear os contactos das pessoas infetadas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 68 mil.

Dos casos de infeção, mais de 238 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

/ AM - Notícia atualizada às 10:50