As autoridades elevaram, esta terça-feira, para 1.234 o número de mortos causados pelo sismo de magnitude 7,5 seguido de tsunami que abalou a Indonésia na sexta-feira.

Numa conferência de imprensa em Jacarta, o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB), Sutopo Purwo Nugroho, disse que há 799 pessoas gravemente feridas, acrescentando que nas comunidades de Sigi e Balaroa ainda não foram contabilizadas as vítimas, pelo que o número poderá ser mais elevado.

Entretanto, um dos primeiros voos de evacuação de uma zona devastada pelo terremoto na região central da Indonésia desembarcou em Java Oriental.

O avião de transporte militar C130, que chegou hoje a um aeroporto militar, transportou dezenas de pessoas, incluindo vítimas feridas que precisavam de mais cuidados e tratamento. Partiu da cidade de Palu, onde centenas de pessoas ainda estão à espera para serem retiradas.

Andi Wijaya, o comandante da base do aeroporto em Java Oriental, diz que sete aeronaves estavam prontas para participar nas operações de evacuação, mas as tripulações têm de ser convocadas para se preparar para os voos.

A situação está cada vez mais desesperante nas áreas severamente danificadas da ilha central de Sulawesi, onde as pessoas estão a ficar sem comida, combustível e outros bens essenciais. O terremoto de magnitude 7,5 na sexta-feira e o tsunami causaram pelo menos 1.234 mortes, mas algumas áreas fora de Palu ainda não foram alcançadas.

Estudantes soterrados em igreja

O número foi atualizado horas depois dos corpos de 34 estudantes terem sido encontrados dentro de uma igreja na ilha de Sulawesi, que sucumbiu devido ao sismo, disse a Cruz Vermelha.

De acordo com a porta-voz da Cruz Vermelha local, Aulia Arriani, 52 estudantes de teologia continuam desaparecidos.

"No total foram encontrados trinta e quatro corpos pelas equipas de resgate", disse Aulia Arriani, afirmando que os 86 estudantes participavam num retiro religioso no distrito de Sigi Biromaru, no norte da ilha.

O difícil acesso ao local tem sido o principal problema das equipas de resgate.

“O principal problema é andar na lama mais de uma hora e meia a carregar os corpos”, explicou a porta-voz da Cruz Vermelha.

Dois novos sismos registados

Dois sismos de magnitude 5,9 e 6 atingiram hoje, no espaço de meia hora, a ilha de Sumba, sul da indonésia, indicou o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).

O primeiro sismo foi registado às 06:59 (23:59 de segunda-feira em Lisboa) com uma profundidade de 10 km e a cerca de 40 km de Sumba, onde vivem 750.000 pessoas.

De acordo com o USGS, o segundo sismo de magnitude 6 aconteceu 15 minutos depois, na mesma área, a uma profundidade de 30 km.

A ilha de Sumba está localizada a 1.600 km ao sul da ilha de Celebes, onde na sexta-feira depois de um sismo de magnitude 7,5 seguido de tsunami morreram pelo menos 844 pessoas.

A Indonésia assenta sobre o chamado Anel de Fogo do Pacífico, uma zona de grande atividade sísmica e vulcânica onde, em cada ano, se registam cerca de 7.000 terramotos, a maioria moderados.

Entre 29 de junho e 19 de agosto, pelo menos 557 pessoas morreram e quase 400.000 ficaram deslocadas devido a quatro terramotos de magnitudes compreendidas entre 6,3 e 6,9, que sacudiram a ilha indonésia de Lombok.