A polícia israelita escoltou hoje mais de 120 visitantes judeus ao complexo da mesquita de Al-Aqsa, onde recentes ações policiais contra palestinianos desencadearam a guerra em Gaza, segundo a autoridade islâmica que dirige o local.

A polícia retirou jovens palestinianos da Esplanada das Mesquitas, designada de Monte do Templo pelos judeus, e proibiu a entrada de muçulmanos com menos de 45 anos, de acordo com o Wafq Islâmico de Jerusalém, que supervisiona a área sob custódia da Jordânia, refere a agência noticiosa norte-americana Associated Press.

Os muçulmanos que entraram foram obrigados a deixar a sua identificação com a polícia, referiu a mesma fonte, adiantando que foram detidos seis palestinianos, quatro dos quais foram depois libertados.

A polícia israelita negou ter aplicado qualquer restrição etária e disse ter detido cinco suspeitos que “violaram a ordem pública”.

Micky Rosenfeld, porta-voz da polícia de Israel, disse que o complexo estava aberto para “visitas normais” e que a polícia protegeu a zona para prevenir “incidentes”.

O Waqf disse que hoje foi o primeiro dia em que judeus foram autorizados a visitar o local desde 04 de maio, uma semana antes de começarem os combates entre grupos palestinianos da Faixa de Gaza e Israel.

A Esplanada das Mesquitas foi palco de confrontos entre a polícia israelita e manifestantes palestinianos, que causaram centenas de feridos, nos dias anteriores ao do início dos combates, 10 de maio. A ameaça de despejo de famílias palestinianas de um bairro de Jerusalém Oriental foi apontada como outra das razões para o conflito de 11 dias, interrompido por um cessar-fogo na sexta-feira.

A mesquita de Al-Aqsa é o terceiro local mais sagrado do islão e situa-se junto ao Muro das Lamentações o mais importante local santo dos judeus. O complexo está localizado em Jerusalém Oriental, a zona palestiniana da cidade, ocupada e depois anexada por Israel, que os palestinianos querem para capital do futuro Estado a que aspiram.

Palco regular de violência entre israelitas e palestinianos, a Esplanada das Mesquitas foi o epicentro da intifada (revolta palestiniana) de 2000.

Nos últimos anos, um crescente número de judeus tem visitado o local e os palestinianos receiam que o Estado hebreu pretenda assumir o controlo do complexo ou dividi-lo, embora o governo israelita tenha repetido que não tem intenções de alterar o “status quo”.

Na sexta-feira, a polícia teve um breve confronto com manifestantes palestinianos na Esplanada das Mesquitas, o que foi considerado um primeiro teste à trégua que entrou em vigor algumas horas antes.

O último ciclo de violência entre Israel e o movimento islâmico Hamas, que controla Gaza, causou 248 mortos, incluindo 66 crianças, no enclave palestiniano, e 12, incluindo uma criança e uma adolescente, em território israelita.

. / LF