O ministro do Turismo e Antiguidades do Egito disse este sábado que uma equipa de arqueólogos desenterraram dezenas de sarcófagos antigos em uma vasta necrópole no sul de Cairo.

Khalid el-Anany disse que pelo menos 59 sarcófagos selados, com múmias dentro da maior parte deles,  estariam enterrados em três poços há mais de 2.600 anos.

Considero que isto é o início de uma grande descoberta”, disse el-Anany, acrescentando que existe um número desconhecido de caixões que ainda não foram desenterrados na mesma área.

Khalid el-Anany falava durante uma conferência de imprensa na popular Pirâmide de degraus de Djoser, em Saqqara, local onde foram encontrados os sarcófagos.

O planalto de Saqqara hospeda pelo menos 11 pirâmides, incluindo a Pirâmide Escalonada, junto com centenas de túmulos datados  da 1ª Dinastia (2920 a.C.-2770 a.C.) ao período copta (395-642).

Mostafa Waziri, secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades, disse que os estudos iniciais demonstram que os sarcófagos foram feitos para padres, altos funcionários e elites do final do Período Faraónico (664-525 a.C.).

Oficiais de antiguidades egípcias anunciaram a descoberta do primeiro lote de caixões no mês passado, quando os arqueólogos encontraram 13 dos recipientes em um poço recém-descoberto de 11 metros de profundidade (36 pés).

O local de Saqqara faz parte da necrópole da antiga capital do Egito, Memphis, que inclui as famosas Pirâmides de Gizé, bem como pirâmides em Abu Sir, Dahshur e Abu Ruwaysh. As ruínas de Memphis foram declaradas Património Mundial da UNESCO, na década de 1970.