A polícia italiana identificou um austríaco de 50 anos que danificou uma estátua num museu no norte de Itália, enquanto posava para uma fotografia.

A obra de arte em causa, de 200 anos, é uma escultura neoclássica de Pauline Bonaparte, recriada em tamanho real por António Canova. O incidente aconteceu no dia 31 de julho no Gypsotheca Antonio Canova, também conhecido como Museu Canoviano, na região de Possagno.

O homem, cuja identidade não foi revelada, foi filmado por uma câmara de vigilância a saltar para a base da estátua para tirar uma fotografia, quando, acidentalmente, danificou a escultura.

Segundo disse a polícia à CNN, três dedos ficaram partidos. O homem apercebeu-se dos estragos que tinha feito, mas abandonou o local, como se nada tivesse acontecido.

 

De acordo com os responsáveis do museu, o homem fazia parte de um grupo de oito turistas e será o marido da guia que organizou a excursão.

O escultor italiano nasceu em 1757 e é conhecido pelas suas obras em mármore. A Venus Victrix, cuja modelo era Paolina Borghese, mulher de Napoleão Bonaparte, é o trabalho mais famoso de Canova.

O diretor do museu quer que o homem seja responsabilizado pelos seus atos e espera que o turista austríaco seja julgado em Itália.

Lara Ferin