A dirigente da oposição paquistanesa e antiga primeira-ministra Benazir Bhutto saudou hoje o anúncio do presidente Pervez Musharraf de eleições legislativas até 09 de Janeiro, classificando-o de «passo positivo» numa declaração à imprensa.

No entanto, Bhutto apelou novamente ao general Musharraf para levantar o estado de emergência instaurado a 03 de Novembro.

O presidente do Paquistão anunciou hoje eleições legislativas para antes de 09 de Janeiro, como estava previsto, mas manteve o estado de emergência, segundo disse, para assegurar condições propícias à realização do escrutínio.

«As eleições legislativas e provinciais devem realizar-se antes de 09 de Janeiro, deixo à Comissão Eleitoral o trabalho de fixar a data, mas desejo fortemente que elas se realizem antes de 09 de Janeiro», declarou o general Pervez Musharraf.

O Parlamento será dissolvido a 15 de Novembro, como prevê a Constituição, e um governo interino gerirá os assuntos correntes, assegurou Musharraf.

O presidente paquistanês falava durante uma conferência de imprensa em Islamabad, a primeira desde que decretou o estado de emergência, há oito dias.

O escrutínio por sufrágio universal directo para escolher o Parlamento e as assembleias provinciais deverá consagrar o regresso da democracia a esta República islâmica, uma potência nuclear com 160 milhões de habitantes.

Musharraf deu a entender que as eleições serão organizadas sob o regime do estado de emergência, que já conduziu à detenção ou à prisão domiciliária mais de 3.000 opositores.



«Compreendo que (o estado de emergência) deveria ser levantado, mas não posso apontar uma data», disse, referindo a multiplicação sem precedentes de atentados suicidas em todo o país nos últimos quatro meses e o preocupante aumento dos combatentes islamitas no noroeste do Paquistão.

«Este estado de emergência é necessário para assegurar as condições propícias às eleições», considerou o chefe de Estado, adiantando que «o Exército dirige as operações» no noroeste do país e prometendo uma «operação militar que só terminará com a derrota dos terroristas».

Benazir Bhutto embarcou hoje de manhã para Lahore (leste), onde terça-feira tenciona liderar uma «grande marcha» até à capital, num percurso de 275 quilómetros, contra o presidente Pervez Musharraf.

As forças de segurança paquistanesas ocuparam hoje o aeroporto de Lahore por motivos de segurança.

A 18 de Outubro, 139 pessoas foram mortas num atentado em Carachi (sul) contra uma caravana liderada por Benazir Bhutto, naquele que foi o ataque do género mais mortífero na história do país.

Já no aeroporto de Islamabad, a polícia tinha montado uma operação para garantir a segurança de Bhutto.
Portugal Diário