Uma famosa ex-modelo regressou à ribalta nos últimos dias, mas sem o glamour dos tempos em que era modelo, tinha 20 anos e vivia luxuosamente em Nova Iorque. O diário catalão El Periódico descobriu Nastasia Urbano, protagonista de várias capa de revistas como a Vogue, a viver nas ruas de Barcelona e, desde então, a sua história desvenda-se em jornais de todo o mundo.

Fez campanhas publicitárias que muitos ainda hoje se lembrarão, como a do perfume Opium, de Yves Saint Laurent, dirigida pelo realizador norte-americano David Lynch, assinou contratos milionários em que recebeu, durante quatro anos, um milhão de euros por 20 dias de trabalho, mas, agora, não tem quase nada.

Resta-lhe, aos 57 anos, a dignidade, os dois filhos adultos, Rebecca e Oliver, a quem recusa sobrecarregar com um fardo que entende ser só seu, e os amigos que a vão recebendo nas suas casas para que não tenha sempre de dormir à porta dos supermercados.

Um amigo, como o próprio se identifica, lançou, inclusive, uma campanha de crowdfunding para ajudar Nastasia Urbano a conseguir arrendar uma casa. A ex-modelo espanhola, filha de pais catalães, mas nascida na Suíça, acumula trabalhos precários, como nas limpezas, mas não consegue juntar dinheiro suficiente para avançar três meses de renda.

Em três dias já conseguiu mais de 2.700 euros de um objetivo de 6.000 euros.

Estou cansada de sobreviver em vez de viver. Já trabalhei a limpar casas e a tomar conta de crianças. Agora estou a viver em casa do meu amigo Toni, que é um anjo. Mas não posso ficar aqui para sempre, é apenas temporário. Daqui a alguns dias voltarei a perguntar-me para onde irei, com as minhas poucas coisas, e onde dormirei", desabafou Nastasia, que sofre de depressão.

A gloriosa carreira de Nastasia Urbano começou a perder-se no dia em que conheceu o ex-marido e pais dos dois filhos. O seu nome e o que faz nunca é identificado pela própria, que, por amor, dava-lhe tudo.

Todos os anos vinha a Barcelona visitar os meus pais. Numa dessas vezes conheci o meu ex-marido e aí acabou tudo, deixou-me apenas com a roupa que tinha vestida. A única coisa boa desta relação foram os meus filhos, tudo o resto foi horrível. Pagava tudo com o meu dinheiro. Conhecia-o há dois dias quando me pediu para lhe comprar um BMW e eu, tonta, passei-lhe o cheque. Estava apaixonada. E se não confias na pessoa que amas confias em quem? Mas ele não, ele não me queria", recordou.

Nastasia não pede ajuda aos filhos para não os preocupar, mas termina em lágrimas a entrevista ao El Periódico.

Quero que os meus filhos me vejam bem. Quero recuperar-me e quero que fiquem orgulhosos de mim. Quero que vivam as suas vidas sem preocupações, que não sofram mais por mim. Mas têm um pai que não é nada e uma mãe que vive nas ruas. A minha filha tem ataques de ansiedade por minha causa. Eles já são adultos, têm as suas vidas e fazem o que podem por mim, mas eu tento não preocupá-los. Quero que me vejam recuperada, a trabalhar e a pagar as minhas contas. Quero que os meus netos possam vir à minha casa para poder-lhes fazer bolachas. Sou boa a fazer bolachas. Conseguirei? Não sei, não me parece. Vivi bem porque podia viver bem, mas eu adapto-me às necessidades. Preciso de uma pausa."

 
/ CM