Um alemão de 92 anos vai ser julgado por crimes cometido durante a Segunda Guerra Mundial, que durou entre 1939 e 1945. O suspeito, que foi identificado como Bruno D., está acusado de pertencer às SS, organização paramilitar que servia o regime nazi de Adolf Hitler.

Bruno D. terá servido no campo de concentração de Stutthof, na Polónia, a primeira instalação do género fora de território alemão. O suspeito terá estado envolvido na morte de 5230 prisioneiros, a maioria judeus.

Os procuradores de Hamburgo adiantaram que o homem fez uma confissão parcial dos crimes, segundo a Reuters. O diário alemão Die Welt avançou que o suspeito reconheceu que tinha estado presente no campo e que sabia que as pessoas eram levadas para as câmaras de gás. Contudo, terá dito que isso não faz dele culpado

Apesar de hoje ter 92 anos, Bruno D. será julgado por um tribunal de menores, uma vez que muitos dos crimes de que está acusado foram praticados quando tinha apenas 17 anos.

O julgamento deverá começar em outubro e prolongar-se até dezembro, uma vez que a frágil saúde do suspeito não lhe permite estar muitas horas seguidas na sala de audiências.

Bruno D. poderá ser um dos últimos nazis a ser julgado por crimes praticados na Segunda Guerra Mundial. Já no ano passado, um antigo guarda de um campo de concentração começou a ser julgado.

Dos mais de 100 mil prisioneiros daquele campo de concentração, cerca de 65 mil terão sido assassinados ou morreram, segundo dados do museu de Statthof, em Gdansk, Polónia.