O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, partiu na noite de segunda-feira para Moscovo, na Rússia, onde irá reunir-se com o homólogo russo, Vladimir Putin.

"Neste momento, estamos a caminho da Federação Russa para fortalecer e expandir as relações diplomáticas e os laços de amizade entre países irmãos", escreveu o chefe de Estado venezuelano na rede social Twitter, momentos antes da partida.

Em declarações à televisão estatal, desde o aeroporto Simón Bolívar, Nicolás Maduro afirmou que este "encontro necessário" com o presidente russo "vai permitir fechar o ano de 2018 com chave de ouro" em termos de "relações estratégicas" da Venezuela com o mundo.

"Vamos rever o plano de cooperação e desenvolvimento conjunto", acrescentou.

A visita de Nicolás Maduro a Moscovo tem lugar depois de o primeiro mandatário venezuelano receber, em Caracas, o seu homólogo da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, naquela que foi a primeira viagem do Chefe de Estado turco à Venezuela.

Na segunda-feira, a Venezuela e a Turquia assinaram vários acordos de cooperação bilateral por quatro mil milhões de euros, em várias áreas, incluindo defesa (militar), extração mineira, energia, transporte e turismo.

A empresa estatal Petróleos da Venezuela SA (PDVSA) e a Turkis Petroleum International Company assinaram uma "carta de intenções" em matéria de cooperação energética.

Ambos os países chegaram também a um acordo para criar o Conselho Bilateral Empresarial entre o Banco de Comérico Exterior da Venezuela (Bancoex) e o Conselho de Relações Económicas e Exteriores da Turquia.

Caracas e Ancara assinaram ainda um acordo para evitar a dupla tributação e prevenir a evasão fiscal sobre as rendas e o património.