Foi encontrado um corpo junto ao local onde desapareceu uma jovem britânica, na Malásia. A família estava de férias em Dusan e o alerta foi dado a 4 de agosto. A confirmação chegou da Lucie Blackman Trust, instituição de caridade que está a apoiar a família de Nora Quoirin.

Neste momento não conseguimos confirmar que é a Nora. Contudo, parece provável. Estão em curso investigações para identificar o corpo e a causa da morte", explicou a Lucie Blackman Trust.

A polícia da Malásia admitiu que o desaparecimento da rapariga de 15 anos pode ter sido crime e informou estar a analisar impressões digitais encontradas no local. As autoridades tinham dito anteriormente que não havia indícios de crime relativamente ao desaparecimento de Nora Anne Quoirin do eco-resort Dusan, no sul do estado de Negeri Sembilan.

Apesar de termos classificado este caso como ‘pessoa desaparecida’, não descartamos nenhuma possibilidade... a escala de investigação e de procura e resgate são muito grandes para um local pequeno como este e a investigação inclui a possibilidade de crime”, afirmou numa conferência de imprensa hoje realizada.

O vice-chefe da polícia de Negeri Sembilan, Che Zakaria Othman, adiantou à imprensa local que uma equipa forense analisou as impressões digitais encontradas na casa de onde a rapariga desapareceu, mas escusou-se a dar mais detalhes.

Ainda assim, o vice-chefe da polícia esclareceu que a janela da sala de estar do andar térreo estava aberta.

A mãe da adolescente chegou a fazer um apelo na televisão local, onde ofereceu 10 mil libras (cerca de 10 800 euros) a quem tivesse informações sobre o paradeiro de Nora Quoirin. Vários voluntários juntaram-se à polícia para procurar a rapariga, que desapareceu numa região montanhosa.

Ela está vulnerável desde o dia em que nasceu. É tão preciosa para nós e os nossos corações estão partidos. Pedimos a quem tenha alguma informação sobre a Nora que nos ajude a encontrá-la", apelou a mãe.

Nora Quoirin nasceu com holoprosencefalia, uma malformação cerebral.