Mais de 20 membros de um grupo de autodefesa civil e um militar morreram na segunda-feira após uma aldeia no centro da Nigéria ter sido atacada por grupos criminosos, anunciaram esta sexta-feira as autoridades locais.

De acordo com a agência France-Presse (AFP), dezenas de homens chegaram em motos na noite de segunda-feira aos arredores da aldeia de Kotonkoro, no distrito de Mariga, estado do Níger, tendo emboscado membros de milícias na aldeia e matando 25.

Grupos de ladrões têm aterrorizado zonas rurais no centro e noroeste da Nigéria há vários anos, realizando pilhagens e raptos em larga escala com o objetivo de obterem resgates.

Encorajadas pelas autoridades, as comunidades locais formaram milícias em áreas onde as forças de segurança não conseguem assegurar a defesa dos civis.

Perdemos 25 dos nossos membros”, disse o líder de uma milícia do distrito de Maringa, Abu Hashim, à AFP.

O político local Ibrahim Ilyasu confirmou o ataque e acrescentou que um soldado foi também morto.

Os bandidos atacaram um posto militar e mataram um soldado, foi quando os membros da milícia foram atrás deles”, afirmou Ilyasu, acrescentando que os atacantes emboscaram os milicianos e “abriram fogo, matando mais de 20 deles”.

Os bandos criminosos operam principalmente a partir de campos na floresta de Rugu, que abrange os estados de Zamfara, Katsina, Kaduna e Níger.

Apesar de um reforço da presença do Exército nesta área, em 2016, e da assinatura de um acordo de paz com alguns destes grupos, em 2019, os abusos continuam.

Os bandos, motivados principalmente pela ganância e sem qualquer aparente motivo ideológico, aumentaram os ataques a escolas nos últimos meses, em atos que suscitam preocupação por todo o mundo.

/ JGR