Depois de meses em chamas, a Austrália começa agora a reerguer-se após os incêndios.

As chamas atingiram com severidade o Estado de Nova Gales do Sul desde julho de 2019 e só em março passado os bombeiros puderam finalmente descansar de alívio. Além das mais de 30 mortes e centenas de feridos, os incêndios deixaram milhares de pessoas desalojadas. Quanto aos animais, estima-se que mil milhões de espécies tenham morrido. 

As imagens do salvamentos dos coalas correram o mundo. Awnen, porém, ficou na memória de quem acompanhou de perto: a coala fêmea foi encontrada em estado grave, com queimaduras em 90% do corpo. Foi salva em outubro e, cinco meses depois, recuperou e pôde voltar ao habitat natural. 

Na página oficial do Koala Hospital Port Macquarie, onde foi tratada todo este período, pode ler-se que, além das queimaduras, Anwen teve também uma infeção, mas ultrapassou todos os problemas e regressou à natureza. 

De acordo com a CNN, Anwen junta-se agora aos 25 coalas devolvidos à Reserva Natural Lake Innes, em Nova Gales do Sul. A região começa agora a recuperar depois das fortes chuvas que permitiram até a libertação dos animais mais cedo do que o esperado. 

Enquanto todos enfrentamos tempos difíceis e incertos, esta incrível história de esperança serve para relembrar a resiliência da nossa incrível flora, fauna e das pessoas", disse Philipa Harrison, diretora da Tourism Australia, em comunicado. 

O hospital procurou criar uma comunidade com coalas de várias idades e sexos, para que possa haver procriação e novos exemplares da espécie nos próximos tempos.

Tal como acontece um pouco por todo o mundo, a Austrália está agora sem turistas devido à pandemia mundial de Covid-19

2019 foi o ano mais quente e seco desde 1910 na Austrália. Associado ao vento forte e trovoadas, o calor poderá ter contribuído para uma combinação de fatores que provocou os incêndios.

Ainda assim, mais de 20 pessoas foram já presas por suspeitas de fogo posto. 

Carolina Brás