Um cão de dez meses que treinava para detetar explosivos foi abatido depois de ter andado à solta no aeroporto de Auckland, Nova Zelândia, durante várias horas. O caso está causar revolta nas redes sociais.

Grizz estava a ser treinado pelos oficiais de segurança de aviação para detetar explosivos a bordo de aviões. Mas, esta sexta-feira, por volta das 4:30 da manhã (hora local), fugiu aos responsáveis que o estavam a treinar.

O animal andou à solta, no aeroporto, durante três horas. Dezasseis voos foram atrasados por razões de segurança.

Inicialmente, o Aeroporto de Auckland anunciou no Twitter que o cão tinha sido capturado, mas, uma hora depois, a informação já era de que o cão tinha sido morto.

Um porta voz da Autoridade de Aviação Civil da Nova Zelândia afirmou aos jornalistas que as condições para capturar o animal eram difíceis: estava muito escuro e a área onde o animal andava à solta era extensa.

Tentámos um pouco de tudo: comida, brinquedos, outros cães, mas nada resultou. Nestas circunstâncias difíceis, o Centro de Operações de Emergência  do Aeroporto decidiu abater o animal.”

A notícia gerou revolta nas redes sociais. A expressão “Auckland Airport” tornou-se viral no Twitter na Nova Zelândia e multiplicaram-se os comentários de utilizadores a protestarem contra a morte do cão.

Muitos questionaram por que não foram usados dados tranquilizantes.

Sofia Santana