Os médicos dos hospitais da Nova Zelândia estão a receber dezenas de crianças com vírus respiratórios potencialmente mortais, devido à "dívida imunitária" causada pela covid-19.

O hospital de Wellington tem, atualmente, 46 crianças hospitalizadas com doenças respiratórias, incluindo o vírus RSV, que geralmente produz nos adultos sintomas muito ligeiros, mas pode tornar-se perigoso ou mesmo fatal nas crianças.

O epidemiologista e professor de saúde pública, Michael Baker, explicou através de uma metáfora o porquê desta situação estar a acontecer: se durante dois anos não acontecer um incêndio, irá haver mais combustível no solo para alimentar às chamas e isso provocará um incêndio maior no futuro.

O fenómeno da "dívida imunitária" acontece porque as medidas para controlar a covid-19, como o confinamento, a lavagem das mãos, o distanciamento social e máscaras, são eficazes no combate de outros vírus, como a gripe ou o vírus RSV.

Estas medidas reduziram 99,9% dos casos de gripe, 98% dos casos RSV e quase eliminaram o pico de mortes no inverno.

Este efeito a curto prazo é bem-vindo, uma vez que evita uma sobrecarga adicional no sistema de saúde. Mas, quanto mais longos forem estes períodos de baixa exposição viral ou bacteriana, maior será a probabilidade de existirem futuras epidemias", escreveu um grupo de médicos franceses, num estudo sobre a dívida imunitária realizado maio de 2021. 

De acordo com o Instituto de Ciência e Investigação Ambiental, a Nova Zelândia relatou quase 1000 casos de RSV nas últimas cinco semanas, quando normalmente, relata 1.743 casos durante todo o inverno (29 semanas). Os surtos nos hospitais da Nova Zelândia têm levado ao adiamento de cirurgias e ao desvio dos recursos dos hospitais para as enfermarias de crianças.

Embora o vírus RSV seja mais comum entre crianças no inverno, os idosos e pessoas com sistema imunitário baixo também são vulneráveis.

Redação / IC