A Espanha registou 33 mortes atribuídas à covid-19 nas últimas 24 horas, o número mais baixo desde agosto de 2020, passando o total de óbitos para 79.601, segundo o Ministério da Saúde espanhol.

Os serviços sanitários também notificaram 5.733 novos casos de covid-19 desde quarta-feira, elevando para 3.631.661 o total de infetados até agora, continuando o número de contágios a descer.

A incidência acumulada (contágios) evoluiu de 145 (quarta-feira) para 140 casos (hoje) diagnosticados por cada 100.000 habitantes nos 14 dias anteriores.

As comunidades autónomas com os níveis mais elevados são as do País Basco (252), Madrid (234), Aragão (201) e Navarra (168).

Nas últimas 24 horas, deram entrada nos hospitais de todo o país 567 pessoas com a doença (610 na quarta-feira), das quais 129 em Madrid, 119 na Andaluzia e 93 na Catalunha.

Por outro lado, desceu para 5.950 o número de hospitalizados com covid-19 (6.267), o que corresponde a 4,7% das camas, dos quais 1.690 pacientes estão em unidades de cuidados intensivos (1.740), o que corresponde a 17,3% das camas desses serviços.

O Ministério da Saúde espanhol e as comunidades autónomas, que têm autonomia em questões de saúde, chegaram a acordo para autorizar os menores de 60 anos vacinadas com uma primeira dose de AstraZeneca e que não queiram tomar uma segunda dose com a Pfizer que podem manter a mesma vacina, depois de assinarem um documento a dar o seu consentimento.

Os serviços sanitários espanhóis também anunciaram hoje que 7,7 milhões de pessoas já estão completamente vacinadas contra a covid-19 (16,2% da população total), e 16,0 milhões têm pelo menos uma das doses (33,8%), em cerca de 47,3 milhões de habitantes que tem o país.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.419.488 mortos no mundo, resultantes de mais de 164,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.014 pessoas dos 843.729 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

. / CE