Uma ofensiva das forças pró-governamentais apoiadas pela Arábia Saudita causou pelo menos 61 mortos entre os combatentes rebeldes em Hodeida, uma cidade portuária no oeste do Iémen, nas últimas 24 horas, segundo fontes militares e hospitalares.

Dezenas de combatentes rebeldes feridos foram transportados para a capital Sanaa, no leste, e para a província de Ibb, no sul do país, disse uma fonte do hospital militar Hodeida. O número de mortos foi avançado por uma fonte militar pró-governamental.

O Iémen mergulhou no caos na sequência da rebelião da Primavera árabe de 2011. O Iémen está praticamente dividido em dois, com as forças pró-governamentais a controlarem o sul e uma boa parte do centro e os rebeldes a ocuparem o norte e parte significativa do oeste.

A guerra do Iémen opõe as forças do governo, apoiadas pela coligação internacional dirigida pela Arábia Saudita, aos rebeldes huthis, que se apoderaram em 2014 e 2015 de vastas regiões do país, incluindo a capital, Sanaa.

Desde 2014 que o conflito causou mais de dez mil mortos e provocou, segundo a ONU, a pior crise humanitária no mundo, com milhões de pessoas ameaçadas pela fome.