O SPD, de Olaf Scholz, venceu as eleições na Alemanha por pouco, com 25,7% dos votos, segundo os resultados preliminares oficiais citados pela AFP.

As urnas encerraram às 17:00 (hora de Lisboa) e as primeiras projeções apontavam para um empate técnico entre SPD e CDU/CSU.

Os sociais-democratas do SPD consideraram ter um "mandato claro" para liderar um governo de coligação, o que não acontece desde 2005, quando Angela Merkel conquistou o poder para a CDU.

O bloco CDU/CSU conquista 24.1% dos votos.

Significa isto que se antevê um longo período de negociações para a formação do novo governo alemão. As soluções deverão passar pelos partidos que se seguem.

Já os Verdes ficaram em terceiro lugar com 14,8%, seguidos pelo partido liberal FDP com 11,5%.

Esta disputa eleitoral será conquistada por quem conseguir construir uma coligação maioritária entre pelo menos três formações partidárias, após negociações que terão início esta segunda-feira.

Só depois dos membros do Bundestag designarem formalmente o seu sucessor, o que poderá acontecer dentro de várias semanas ou mesmo de meses, Angela Merkel poderá retirar-se do centro da política alemã.

Pouco depois do encerramento das urnas, o candidato social-democrata Olaf Scholz disse que o resultado é um "sucesso" para o SPD - que conseguiu o melhor resultado desde Gerard Schroder - e que os alemães desejam-no para chanceler da Alemanha.

Apesar da curta vantagem do SPD, os democratas cristãos dizem que têm condições para formar governo, tudo dependendo das alianças que conseguir alcançar.

Agora tudo vai depender das negociações com os outros partidos, sobretudo com os Verdes e com os liberais do FDP.

Em 2017, as negociações com vista à formação do Governo prolongaram-se durante mais de 200 dias.

Catarina Pereira