Mais de 50 pessoas foram retiradas de casa na sequência de um incêndio em Torre de l'Espanyol, Tarragona, que os bombeiros da Catalunha ainda não conseguiram controlar. As chamas já queimaram 6.500 hectares e podem estender-se por uma área até 20 mil hectares, admitem as autoridades. Em França, devido ao calor extremo, as autoridades ativaram alerta vermelho pela primeira vez

Segundo o El País, os guardas florestais indicam que o incêndio começou na estrumeira de uma quinta, de forma espontânea, devido ao calor extremo que se faz sentir em Espanha. Trata-se do pior incêndio na Catalunha desde 1998 e mais de 300 bombeiros já foram mobilizados para o local.

Além do foco de incêndio inicial, um segundo fogo começou em La Fatarella, a cerca de 20 quilómetros do foco da Torre de l'Espanyol, o que está a dificultar a vida aos bombeiros. A Proteção Civil pediu entretanto aos habitantes de povoações próximas, não ameaçadas pelo fogo, que ficassem dentro de casa, nomeadamente os mais velhos, grávidas, crianças e pessoas com problemas respiratórios, devido ao risco da inalação de fumo.

O fogo está ativo e não está controlado nem estabilizado", disse à imprensa Antonio Ramos, que está a chefiar a operação dos bombeiros no local, que atribui a violência do incêndio à geografia do terreno. "É uma zona muito irregular e com muitas escarpas, o que dificulta colocar os veículos e que as equipas avancem com rapidez", destacou.

Na estrumeira onde o fogo teve início houve uma "acumulação" excessiva de excrementos de galinha, que fermentaram e entraram em autocombustão. As chamas propagaram-se à vegetação e avançaram pelo terreno devido ao vento forte, ainda que a quinta, segundo as autoridades, cumpra todas as normas de segurança.

O Governo da Catalunha colocou em alerta máximo devido ao risco de incêndio vários municípios de Tarragona e Lleida, o que proíbe, por exemplo, que sejam feitos trabalhos de soldadura ou de manutenção de estradas. Espanha é um dos países afetados pela onda de calor que, desde o início da semana, se tem feito sentir na Europa, com temperaturas superiores a 40 graus. Esta quinta-feira, espera-se que várias cidades europeias batam recordes de temperatura para o mês de junho. 

Em Tarragona, esta quinta-feira, as temperaturas chegaram aos 35 graus e devem chegar aos 40º na sexta-feira

França ativa alerta vermelho pela primeira vez

O serviço meteorológico francês ativou pela primeira vez o alerta de calor extremo, com quatro departamentos no sul colocados no nível vermelho de vigilância devido às previsões de temperaturas de 42 a 45 graus nos próximos dias.

Criado a seguir à vaga de calor de 2003 e nunca ativado antes, o alerta foi ativado esta tarde pelo Méteo France e está em vigor até à tarde de sexta-feira em quatro regiões situadas no sul do país: Bouches-du-Rhône, Gard, Hérault e Vaucluse. Este serviço estima que as temperaturas possam atingir os 45 graus Celsius nessas regiões, alertando que o fenómeno de calor extremo será "intenso".

A temperatura bateu mesmo recordes absolutos num mês de Junho esta quinta-feira, ao registar-se 41,5 graus em Saint-Julien-de-Peyrolas, perto de Avignon, no departamento de Gard.

Entre alguns dos pontos mencionados pela Méteo France num aviso aos cidadãos está o facto de esta onda de calor afetar toda a população e não apenas as pessoas consideradas mais vulneráveis.

Cada um de nós está ameaçado, mesmo as pessoas que estão de boa saúde” refere o site da instituição, embora o perigo seja “maior para os idosos, pessoas com doenças crónicas ou doenças mentais, pessoas que tomam regularmente medicamentos e pessoas isoladas".

O resto do país permanece em alerta laranja e as previsões mostram que esta onda de calor só vai abrandar a partir de domingo. Esta tarde, os termómetros atingiram entre 36 a 40 graus em diferentes regiões, sexta-feira poderão chegar aos 45 nos departamentos em alerta vermelho e continuar nos 39 de máxima no sábado.

Este episódio de calor fez com que a circulação diferenciada fosse ativada em grandes cidades como Paris, fazendo com que apenas circulem carros com matrículas recentes e menos poluentes.

Ao mesmo tempo, os comboios franceses estão a aceitar, de forma gratuita, cancelamentos de reservas e mudanças de bilhetes devido ao calor.

Os alertas para o consumo de água e outros conselhos à população continuam a ser difundidos pelos meios de comunicação e nos transportes. Algumas cidades, um pouco por todo o país, decidiram mesmo fechar as escolas durante esta quinta e sexta-feira devido ao calor extremo.

/ BC