A ameaça do grupo Estado Islâmico está de novo a crescer nos principais redutos do grupo terrorista na Síria e no Iraque, alertou hoje a comissão antiterrorismo da Organização das Nações Unidas (ONU).

O chefe deste serviço da ONU, Vladimir Voronkov, disse hoje que, ao longo dos últimos meses, a ameaça da organização ‘jihadista’ diminuiu em lugares como a Europa e cresceu noutros, como no Médio Oriente.

O núcleo do grupo Estado Islâmico no Médio Oriente continuou a "consolidar a sua posição" em algumas das áreas que já controlava e está a agir de forma mais aberta, com maior confiança, observou ainda o funcionário da ONU.

Em 2020, o número de ataques aumentou significativamente face ao ano anterior, e estima-se que mais de 10.000 combatentes continuem ativos no Iraque e na Síria, com vários desses elementos a moverem-se livremente entre os dois países, em pequenas células.

Voronkov realçou ainda que o movimento está a reforçar a presença em várias zonas de África e observou a ameaça representada pelo grupo na Líbia, um país em conflito, mesmo contando somente com algumas centenas de combatentes.

O chefe da comissão antiterrorismo da ONU afirmou também que o núcleo do grupo ‘jihadista’ no Afeganistão, mesmo com perdas territoriais, pode lançar grandes ataques em várias áreas do país e frisou que o grupo deseja atrair combatentes insatisfeitos com a paz estabelecida entre o movimento talibã e os Estados Unidos, no início deste ano.

A principal ameaça com que a Europa se depara atualmente é a dos terroristas locais radicalizados pela internet, com vários países a relatarem também um problema crescente com a violência da extrema-direita, o que pode exigir o desvio de recursos até agora utilizados para vigiar ‘jihadistas’, salientou Voronkov.

A pandemia de covid-19, com os confinamentos e restrições que lhe estão associados, limitou a ação do grupo ‘jihadista’ nos países que não são palco de conflitos, afirmou ainda este responsável.

De acordo com a ONU, ainda não é claro o impacto da pandemia no recrutamento e na angariação de fundos pelo grupo Estado Islâmico, mas a organização considera que a crise económica pode "agravar as condições" que favorecem o terrorismo a médio e longo prazos, quer em áreas de conflito, quer noutras.

/ BC