O maior relâmpago do mundo foi registado no Brasil, com uma extensão de 709 quilómetros ao longo do sul do país, informou na sexta-feira a Organização Meteorológica Mundial (OMM), ao reconhecer o recorde.

O raio em causa ocorreu em 31 de outubro de 2018 e percorreu 709 quilómetros numa linha horizontal, atravessando parte do sul do Brasil.

Segundo a OMM, a extensão da descarga elétrica equivale à distância "entre Londres e a fronteira da Suíça".

O anterior recorde tinha sido registado em 2007 no Oklahoma, nos Estados Unidos, com um raio de 321 quilómetros.

O novo recorde foi apurado devido a uma nova tecnologia de imagens por satélite. Contudo, segundo a OMM, tanto o registo anterior quanto o novo usaram a mesma metodologia para medir a extensão do relâmpago.

Estes são registos extraordinários de eventos de relâmpagos únicos. Os extremos ambientais são medições vivas do que a natureza é capaz, bem como do progresso científico capaz de fazer tais avaliações. É provável que existam extremos ainda maiores, e que possamos observá-los à medida que a tecnologia de deteção de relâmpagos melhora", disse o professor Randall Cerveny, relator-chefe de meteorologia e extremos climáticos e climáticos da OMM.

"Isto fornecerá informações valiosas (…) em questões de engenharia, científicas e de segurança", acrescentou.

Além do recorde registado no Brasil, a OMM informou ainda que o raio com maior duração (16,73 segundos) ocorreu na Argentina, em 4 de março de 2019.

 
/ CM