A Organização Mundial de Saúde afirmou esta terça-feira que a China está a dificultar o acesso dos seus investigadores à cidade de Wuhan, onde a pandemia de covid-19 teve início, ainda em 2019.

Segundo o diretor-geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus, "nas últimas 24 horas, membros da comunidade científica internacional que investigam a origem da covid-19 começaram a viajar dos seus países para a China", naquilo que terá sido uma operação concertada entre a OMS, o governo chinês e os países pelos quais os investigadores iriam passar durante a viagem.

Esta terça-feira soubemos que oficiais chineses ainda não finalizaram as permissões necessárias para a chegada da equipa à China", afirmou o diretor-geral.

Tedros Adhanom Ghebreyesus afirmou estar "desapontado" com os desenvolvimentos, acrescentando que dois dos investigadores já iam a caminho e que outros foram impedidos de viajar à última hora.

O diretor-geral disse ainda que se mantem em permanente contacto com as autoridades chinesas, a quem já passou a mensagem de que esta missão é uma "prioridade para a OMS".

Foi-me assegurado que a China está a apressar o processo interno para as autorizações", explicou.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.854.305 mortos resultantes de mais de 85 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

António Guimarães