A Organização Mundial da Saúde (OMS) inaugurou esta quarta-feira, na Alemanha, o Centro para a Inteligência Pandémica e Epidémica, que visa "preparar e proteger melhor o mundo de ameaças globais de doenças" com dados e análises.

O centro, que será liderado pelo epidemiologista nigeriano Chikwe Ihekweazu, atual diretor-geral do Centro de Controlo de Doenças da Nigéria, foi inaugurado na capital alemã, Berlim, pelo diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e pela chanceler alemã, Angela Merkel.

A unidade está a funcionar provisoriamente no complexo do hospital universitário Charité, prevendo-se para breve a sua transferência para instalações permanentes em Kreuzberg, no centro de Berlim, refere em comunicado a OMS.

Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, citado no comunicado, o centro terá como foco "a ligação e a análise de dados e a capacidade de detetar e avaliar melhor os riscos de doenças nas fases iniciais, antes que causem morte e perturbação social".

Apesar de décadas de investimento, a covid-19 revelou as grandes lacunas que existem na capacidade do mundo de prever, detetar, avaliar e responder a surtos que ameaçam as pessoas em todo o mundo", reconheceu, citado no mesmo comunicado, o diretor-executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, Michael Ryan.

O Centro para a Inteligência Pandémica e Epidémica da OMS, que representa um investimento inicial da Alemanha de 84,62 milhões de euros, terá como missão fornecer melhores dados e análises para que o mundo possa detetar e responder a emergências de saúde.

A ideia da criação deste centro, que irá juntar especialistas de várias áreas e tecnologia de ponta, surgiu há dez meses durante uma conversa entre Angela Merkel e Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Esta quarta-feira, na inauguração, a chanceler alemã salientou que o mundo tem de estar "melhor preparado para a próxima pandemia", encorajando à "união de forças".

Temos que ligar melhor os investigadores, reunir e analisar dados e assessorar muitos países", afirmou Angela Merkel, citada para agência noticiosa Efe.

Para o dirigente da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, trata-se de tornar "o mundo mais seguro", de "salvar vidas", porque "informações corretas" ajudam a tomar "boas decisões".

/ NM