O Brasil ultrapassou na quinta-feira a Itália e tornou-se no terceiro país do mundo com mais mortes pela covid-19, após atingir um novo recorde diário de 1.473 óbitos nas últimas 24 horas, segundo dados oficiais.

No total, o país sul-americano, que tem uma população estimada em 210 milhões de habitantes, contabiliza 34.021 vítimas mortais e 614.941 casos confirmados.

Do total de infetados, 30.925 foram registados nas últimas 24 horas, informou na noite de quinta-feira o Ministério da Saúde,

Atualmente, em relação ao número total de mortes, o Brasil está apenas atrás dos Estados Unidos e do Reino Unido, e ocupa a segunda posição mundial face ao número de casos diagnosticados, segundo o portal Worldometer, que compila quase em tempo real informações da Organização Mundial da Saúde, dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, de fontes oficiais dos países, de publicações científicas e de órgãos de informação.

A Itália, que foi um dos epicentros da pandemia na Europa, tem agora 33.689 vítimas mortais.

O país sul-americano investiga ainda a eventual relação de 4.159 mortes com a doença de covid-19, num momento em que 254.963 pacientes infetados já recuperaram e 325.957 continuam sob acompanhamento.

Tendo em conta os dados de quinta-feira, a covid-19 já mata mais de um brasileiro por minuto.

O aumento no número de mortes e infetados ocorre num momento em que governadores e prefeitos têm anunciado a flexibilização das medidas de isolamento social, como em São Paulo, Rio de Janeiro, Amazonas ou Distrito Federal.

São Paulo, foco da covid-19 no país, concentra oficialmente 129.200 casos de infeção e 8.560 mortos, sendo seguido pelo Rio de Janeiro, que totaliza 60.932 pessoas diagnosticadas e 6.327 óbitos.

Todas as 27 unidades federais do Brasil já ultrapassaram os mil casos da doença causada pelo novo coronavírus.

Nas últimas semanas, a tutela da Saúde do Brasil tem alterado a forma como divulga os dados referentes à pandemia. As conferências de imprensa, que anteriormente ocorriam diariamente, passaram a acontecer em dias intercalados, e várias horas antes do executivo divulgar os números referentes à evolução diária da covid-19.

Também o horário em que os números passaram a ser divulgados alterou. Desde o início de maio, os dados passaram a ser divulgados depois das 19:00 (hora local, 23:00 em Lisboa). Contudo, nos últimas dois dias, a pasta da Saúde atualizou as informações diárias referentes à covid-19 pelas 22:00 (hora local, 02:00 em Lisboa).

Na quinta-feira, o secretário substituto de vigilância em saúde do Ministério, Eduardo Macário, criticou a imprensa pela divulgação dos "recordes de mortes" e por enumerarem os países mais afetados.

"Acho lamentável falar de 'ranking'. (...) Nem todos os óbitos ocorrem no mesmo dia. Não estou a menosprezar a importância de informação, de casos e óbitos. Somente não concordo com essa colocação", disse Macário em conferência de imprensa.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 389 mil mortos e infetou mais de 6,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,8 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

. / BC