O grupo chinês Fosun, que detém várias empresas em Portugal, anunciou esta quarta-feira um acordo com a BioNTech para a compra de 100 milhões de doses da vacina para a covid-19, desenvolvida pela empresa alemã em conjunto com a norte-americana Pfizer.

Numa nota enviada à Bolsa de Valores de Hong Kong, a Fosun explicou que o negócio está ainda dependente da autorização da China para a comercialização daquela vacina.

A primeira parte do acordo prevê a venda de 50 milhões de doses, para as quais será feito um pagamento equivalente a 125 milhões de euros, até 30 de dezembro. O restante será pago quando as autoridades chinesas derem luz verde para comercializar a vacina no país.

A empresa chinesa ficará com 65% das receitas brutas anuais obtidas com a comercialização da vacina na China. A BioNTech fica com os restantes 35%.

A Fosun advertiu, no entanto, que "não há garantia" de que a vacina da BioNTech receba autorização para ser comercializada na China, um país que ainda não aprovou nenhuma vacina que não seja para uso de emergência e em casos muito específicos, apesar de várias empresas chinesas possuírem vacinas na última fase de testes.

No início deste mês, um representante do Governo chinês disse que Pequim vai aprovar a comercialização de 600 milhões de doses da vacina contra o coronavírus antes do final do ano, mas não houve ainda confirmação oficial.

A vacina desenvolvida pela Pfizer e a BioNTech já recebeu autorização em vários países, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Singapura, México e Costa Rica.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.621.397 mortos resultantes de mais de 72,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ CE