Na Índia, os grandes salões de festas de 25 hotéis de luxo estão a dar lugar a enfermarias improvisadas para tratar doentes de Covid-19.

De acordo com o jornal The Guardian, o cenário reflete a gravidade da situação. Com um sistema de saúde demasiado sobrecarregado, o governo de Nova Deli foi o primeiro a transformar instalações hoteleiras em hospitais, prevendo que vai precisar de 150 mil unidades até ao final de julho para tratar meio milhão de infetados.

Nos últimos dias, a propagação do novo coronavírus na Índia intensificou-se. Com 440 mil infetados, o país ocupa o quarto lugar em número de casos - só ficando atrás dos Estados Unidos, Brasil e Rússia – e o oitavo em número de mortos.

O governo indiano atribui esta subida repentina – num só dia foram registados 14 mil novos casos – ao aumento de testes à população, a mesma justificação que já foi dada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Contudo, a justificação é descartada por um dos membros da Organização Mundial de Saúde. “Os números sobem porque a pandemia está a desenvolver-se em vários países populosos ao mesmo tempo”.

Recorde-se que, em março, foi implementada na Índia uma rígida quarentena e só passados 70 dias é que o governo começou a levantar algumas restrições.

Só há cerca de duas semanas é que alguns escritórios voltaram a abrir, assim como os transportes públicos. Mas perante o recorde de número de infetados, o primeiro-ministro Narendra Modi não afasta a possibilidade de voltar a “fechar” o país.

Lara Ferin