Mais de um milhão de bebés, crianças e adolescentes foram diagnosticados com o novo coronavírus nos Estados Unidos, informaram nesta segunda-feira a Academia Americana de Pediatria (AAP) e a Associação de Hospitais Infantis.

De acordo com o relatório, que reúne dados dos departamentos estaduais de saúde, um total de 1.039.464 crianças testou positivo desde o início da pandemia até 12 de novembro.

Só na semana que terminou a 12 de novembro, as estatísticas de infeções entre menores registaram 111.946 novos casos, “o que é substancialmente mais do que em qualquer semana anterior da pandemia”, indicaram as instituições.

Acho esse número chocante e trágico. Não vimos um vírus espalhar-se tão rápido nas nossas comunidades desde antes de termos vacinas contra o sarampo e a poliomielite", advertiu a presidente da AAP, Sally Goza, em comunicado.

A especialista, com mais de três décadas de experiência, defendeu que devia ser feito mais para se proteger as comunidades, enquanto se espera pela vacina.

“Precisamos urgentemente de uma nova estratégia nacional de controlo da pandemia e que inclua a implementação de medidas de saúde pública de eficácia comprovada, como o uso de máscaras e distanciamento físico”, acrescentou Goza, para quem a pandemia “está a fazer um grande número de vítimas entre crianças e famílias, bem como entre médicos e outras equipas que estão na linha de frente".

No comunicado dá-se conta que 27% dos pais indicaram um agravamento da sua saúde mental, enquanto 14% responderam que o mesmo acontecera com os filhos, de acordo com o inquérito nacional sobre "Bem-estar de pais e filhos durante a pandemia do covid19 ".

Além disso, acrescenta-se na mesma nota, na qual se citam dados do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças, as visitas de crianças e adolescentes a emergências por problemas de saúde mental aumentaram em mais de 24% durante a pandemia.

Os Estados Unidos registaram 1.008 mortos e 165.565 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo a contagem independente da Universidade Johns Hopkins.

O último balanço diário elevou o total de óbitos para 247.116 e de casos para 11.190.611 desde o início da pandemia de covid-19.

O Instituto de Métricas e Avaliações de Saúde da Universidade de Washington estima que até o final do ano os Estados Unidos, o país mais afetado pela pandemia, vão registar 320 mil mortos, com o número a aumentar para 440 mil a 01 de março.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.319.561 mortos resultantes de mais de 54,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ LF