O País de Gales foi a primeira nação do Reino Unido a oferecer uma vacina anti-covid a todas as pessoas com mais de 70 anos e profissionais de saúde, ou seja, 740.000 pessoas, saudou hoje o governo regional autónomo. 

Há 740 mil pessoas no País de Gales nesses quatro grupos, 689 mil delas já foram vacinadas até à noite de quarta-feira", disse o primeiro-ministro galês, Mark Drakeford, à BBC.

Esperamos, quando tivermos os números de ontem (quinta-feira), ultrapassar em muito a marca de 700 mil. Sabemos que todos os que ainda não foram vacinados terão recebido um convite para vir até ao final do dia (sexta-feira) ou, o mais tardar, durante o fim de semana”, acrescentou.

Drakeford ressaltou que o ritmo vai diminuirá um pouco nas próximas duas semanas, devido à queda no fornecimento de vacinas, antes de serem retomadas em março.

Drakeford tem sido cauteloso sobre quando será possível levantar o confinamento, mas reiterou que as escolas vão reabrir a 22 de fevereiro para as crianças até aos sete anos. 

Confinado de novo para conter uma terceira onda muito agressiva da pandemia covid-19, atribuída a uma variante mais contagiosa que apareceu no sul da Inglaterra, o Reino Unido está a contar com a vacinação em grande escala da sua população para poder levantar gradualmente as restrições a partir do início de março.

O Governo de Boris Johnson definiu a meta, que está confiante de que alcançará, de administrar uma primeira dose da vacina aos quatro primeiros grupos prioritários até meados de fevereiro, cerca de 15 milhões de pessoas no conjunto do Reino Unido, incluindo as pessoas mais de 70 anos, residentes e funcionários de lares de idosos, profissionais de saúde e pessoas clinicamente vulneráveis.

Além do País de Gales, o Reino Unido é composto por Inglaterra, Escócia e Irlanda do Norte. 

No total, mais de 13,5 milhões de pessoas no Reino Unido já receberam a primeira dose de uma das vacinas, Oxford/AstraZeneca ou Pfizer/BioNTech, as duas que são atualmente administradas no país, segundo dados oficiais relativos a quarta-feira.

O jornal The Guardian noticiou, no entanto, na sexta-feira, citando um inquérito da associação da indústria de apoio social, que mais de 400.000 entre 656.000 pessoas que prestam cuidados domiciliares a idosos ou pessoas vulneráveis ainda não receberam a primeira dose.

Embora a aceitação da vacinação seja geralmente alta no Reino Unido, a relutância é maior entre as minorias étnicas, o que levou o Serviço Nacional de Saúde (NHS) a produzir vídeos em diferentes idiomas ou usando celebridades como o músico Elton John para encorajar a adesão.

O Reino Unido registou 678 mortes de covid-19 até quinta-feira, somando 115.529 desde o início da pandemia covid-19, o balanço mais alto na Europa e o quinto a nível mundial, atrás dos Estados Unidos, Índia, Brasil e México. 

/ MJC