O Governo de Macau voltou esta quarta-feira a apelar à população para que se vacine e lamentou que o território possua a mais baixa taxa de vacinação da China.

Em conferência de imprensa, Ho Iat Seng sublinhou que a taxa de vacinação ronda os 50%, o que é “a taxa mais baixa da China”, e avisou que a economia só pode recuperar se forem aliviadas as restrições fronteiriças e que para isso o território tem de conseguir criar uma barreira imunológica.

O chefe do Governo de Macau voltou a dar Portugal como exemplo no esforço de vacinação contra a covid-19 e salientou que só será possível discutir com as autoridades do interior da China o alívio das restrições fronteiriças se a taxa de vacinação aumentar significativamente, na ordem dos 80%.

Em Macau, a taxa de vacinação ronda os 50%, apesar de a vacina ter sido disponibilizada à população em geral há mais de meio ano, gratuitamente.

A resistência à vacina em Macau levou mesmo as autoridades sanitárias a anunciar que os trabalhadores de Macau, nos setores público ou privado, ficam obrigados a fazer um teste à covid-19 a cada sete dias, caso não estejam vacinados.

A covid-19 provocou pelo menos 4.752.875 mortes em todo o mundo, entre 232,27 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência de notícias France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Agência Lusa / BMA