A farmacêutica norte-americana MSD (que nos EUA se chama Merck) anunciou, esta sexta-feira, que o medicamento antiviral molnupiravir reduz para metade o risco de hospitalização e morte dos doentes com covid-19, através de um comunicado. A empresa vai agora pedir às autoridades de saúde norte-americanas autorização de emergência para a administração do medicamento. 

O molnupiravir, que inicialmente foi desenvolvido para o tratamento da gripe, e que está a ser desenvolvido em conjunto com a Ridgeback Bio, pode vir a tornar-se o primeiro medicamento antiviral contra a covid-19.

De acordo com estudos feitos pela empresa, os primeiros resultados mostram que o comprimido “reduziu o risco de hospitalização ou morte em cerca de 50%” quando comparado com os pacientes que tomaram um placebo. Estes dados ainda não foram revistos pelos pares. 

7,3% dos doentes aleatorizados para tratamento com molnupiravir foram hospitalizados ou morreram até ao dia 29. No braço de comparação com placebo, 14,1% dos doentes foram hospitalizados ou morreram até ao dia 29”, pode ler-se no documento. 

A MSD alega ainda que, no estudo que contou com a participação de mais de 755 pessoas, o molnupiravir demonstrou eficácia consistente entre as variantes Gama, Delta e Mu.

Necessitamos urgentemente de mais opções e tratamentos para combater a pandemia da covid-19, que se tornou numa causa de morte relevante e continua a afetar profundamente doentes, famílias e sociedades e a causar pressão nos sistemas de saúde em todo o mundo”, afirmou o presidente da empresa, Robert Davis. 

O CEO da Ridgeback Biotherapeutics partilhou esta ideia e enalteceu a importância de existirem mais “opções terapêuticas” para além das vacinas, de forma a que as autoridades consigam “manter as pessoas com covid-19 foram do hospital”. 

Para isso, a empresa já fez saber que vai submeter o fármaco a um pedido de autorização de emergência ao regulador norte-americano, a Food and Drug Administration (FDA). Apesar de ainda estar a aguardar a aprovação do regulador, a farmacêutica já começou o processo de produção do medicamento e espera ter 10 milhões de doses prontas até ao final do ano.

A MSD esclarece ainda que já estabeleceu acordos de compra e distribuição de molnupiravir com outros governos, sob condição de obtenção da autorização regulamentar, e encontra-se atualmente em negociações com outros governos.

Os mercados já reagiram à notícia promissora e a Merck viu o preço das suas ações disparar 12%, na bolsa de Nova Iorque, depois do anúncio.