Os profissionais de saúde e do setor educativo da Nova Zelândia vão ser obrigados a vacinar-se contra a covid-19, anunciou esta segunda-feira o governo neozelandês.

De acordo com a Associated Press (AP), os médicos, farmacêuticos, enfermeiros e outros trabalhadores do setor da saúde deverão completar a vacinação até 1 de dezembro, ao abrigo das novas regras anunciadas pelo executivo.

Os professores e outros trabalhadores do setor da educação deverão receber as duas doses da vacina até janeiro do próximo ano.

O ministro da Educação, Chris Hipkins, responsável igualmente pela resposta à covid-19, disse que muitos destes profissionais já estão vacinados, mas que é importante que outros o façam, porque lidam com doentes e crianças que ainda não podem tomar a vacina.

Não é uma decisão fácil, mas precisamos que as pessoas que trabalham com comunidades vulneráveis e que ainda não foram vacinadas deem mais este passo", disse.

O anúncio surge numa altura em que o país combate um surto da variante Delta do novo coronavírus na cidade de Auckland.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, disse esta segunda-feira que a cidade permanecerá em isolamento pelo menos mais uma semana, enquanto as regiões próximas de Waikato e Northland poderão aliviar as restrições a partir de quinta-feira, se não houver propagação significativa do vírus.

Auckland está confinada há quase dois meses, desde que o surto foi descoberto, em meados de agosto. Na segunda-feira, a cidade registou 35 infeções, elevando o total de casos diagnosticados durante este surto para cerca de 1.600.

Na semana passada, a primeira-ministra da Nova Zelândia anunciou o abandono da estratégia de eliminação total da covid-19 e a adoção de um novo modelo que tenha em conta as taxas de vacinação para flexibilizar as restrições à circulação.

Cerca de 68% dos neozelandeses já tomaram pelo menos uma dose da vacina, estando 47% totalmente vacinados. Entre os que têm 12 anos ou mais, a taxa de vacinação sobe para 82% e 57%, respetivamente.

O governo anunciou ainda um acordo de compra de 60.000 doses de um novo medicamento experimental contra a covid-19 produzido pelo laboratório norte-americano Merck, que aguarda a aprovação dos reguladores neozelandeses.

Desde o início da pandemia, a Nova Zelândia acumulou 4.700 casos de covid-19 e 28 mortes provocadas pela doença.

A covid-19 provocou pelo menos 4.843.739 mortes em todo o mundo, entre mais de 237,46 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Agência Lusa / BC