O Papa Francisco condenou esta quarta-feira a interrupção da gravidez, considerando que o ato é semelhante a quem contrata “um assassino profissional para resolver um problema”.

O Pontífice falava na audiência geral realizada todas as quartas-feiras na Praça de S. Pedro, no Vaticano.

Francisco refletiu hoje sobre o quinto mandamento - "Não matarás" -, condenando a "supressão da vida humana no ventre da mãe em nome da salvaguarda de outros direitos".

"Mas como pode um ato que suprime a vida inocente e indefesa no início ser terapêutico, civil ou simplesmente humano?", questionou.

É justo suprimir uma vida humana para resolver um problema? É justo contratar um assassino para resolver um problema? Não”.

O Papa considera que "uma criança doente, como qualquer pessoa necessitada e vulnerável” não é um problema, mas sim “um presente de Deus”.