O Papa Francisco e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tiveram uma reunião privada, no Vaticano, que durou 27 minutos. No final do encontro, e depois de uma simbólica troca de presentes, o líder norte-americano despediu-se dizendo que não ia esquecer a mensagem do Sumo Pontífice. 

Este foi o primeiro ato oficial de Trump da sua visita à Europa. O presidente norte-americano partiu de Villa Taverna, residência do embaixador dos Estados Unidos, onde estava alojada a delegação norte-americana, e chegou ao Pátio de São Dâmaso do Vaticano às 08:20 (07:20 em Lisboa), sob fortes medidas de segurança e uma comitiva presidencial de meia centena de veículos.

Donald Trump entrou no Estado do Vaticano através da porta do Perugino, depois de seguir pela Via da Conciliação. Após o habitual cumprimento, o Sumo Pontífice e o presidente norte-americano deixaram-se fotografar pelos jornalistas.

A reunião privada começou às 08:33 (07:33 em Lisboa) e durou um pouco mais do que os 20 minutos que habitualmente duram as conversas do Papa com os chefes de Estado e de Governo que o visitam.

Depois houve uma cerimónia de troca de ofertas e apresentação da delegação norte-americana, que incluía a primeira-dama, Melania, a filha mais velha de Trump, Ivanka, e o genro, Jared Kushner.

O presidente dos EUA e o Papa defendem modelos económicos e sociais opostos e entraram em choque em questões como a construção de um muro entre os Estados Unidos e o México, a assistência aos pobres, as relações com o mundo islâmico e as questões de ordem ambiental. 

Daí que não seja de estranhar que a troca de presentes que se seguiu após a reunião privada tenha estado carregada de simbolismos.

O Papa Francisco ofereceu a Trump uma escultura de uma oliveira, uma árvore que simboliza a paz. Trump agradeceu, dizendo: "Obrigado, podemos muito bem usar a paz".

O líder da Igreja Católica também ofereceu ao presidente dos EUA uma cópia assinada da mensagem que divulgou no Dia Mundial da Paz e três ensaios que escreveu sobre a proteção do ambiente. 

Bom, vou lê-los", frisou Trump, ao receber as ofertas.

Por sua vez, o líder norte-americano ofereceu ao Papa uma série de textos de Martin Luther King. 

O presidente dos Estados Unidos despediu-se, deixando a garantia de que não se vai esquecer da mensagem de Francisco: "Obrigado. Não vou esquecer o que disse", vincou.

Dpois, Trump reuniu-se com o secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin.

A passagem de Trump pelo Vatciano aconteceu depois de o líder norte-americano ter estado na Arábia Saudita e em Israel.

O presidente dos Estados Unidos ainda vai encontrar-se com o presidente e o primeiro-ministro de Itália nesta quarta-feira e depois seguirá até Bruxelas, para participar na cimeira da NATO.