Os dois fundadores do escritório de advogados Mossack Fonseca, envolvido no escândalo "Papéis do Panamá"  foram detidos. Jurgen Mossack e Ramón Fonseca Mora são suspeitos de lavagem de dinheiro e receberam ordem de prisão preventiva, na capital do Panamá.

A detenção dos fundadores da Mossak Fonseca está relacionada com a operação Lava Jato, a investigação sobre corrupção que decorre no Brasil.

A prisão preventiva foi decretada pela justiça do Panamá depois de terem sido feitas buscas nos escritórios da Mossack Fonseca.

O Ministério Público do Panamá acusa a empresa de ser "uma organização criminosa que se dedica a ocultar ativos e dinheiro de origens suspeitas" e serve para "eliminar provas dos envolvidos em atividades ilícitas relacionadas com o caso Lava Jato".

Redação / AR